Música clássica aumenta longevidade de quem faz transplantes

Hugo Séneca
23/03/2012 11:29
«O concerto da Enya já acabou?»

Mozart e Verdi não são médicos, mas podem ajudar a aumentar a longevidade de quem fez um transplante de coração.

Masateru Uchiyama, investigador da Universidade Hospital Juntendo, em Tóquio, analisou as reações de ratinhos de laboratório a transplantes de coração e chegou à conclusão que a música clássica pode ter efeitos benéficos para a longevidade.

As experiências exigiram o sacrifício de vários ratinhos, que foram sujeitos a transplantes de corações não compatíveis. No período que se seguiu aos transplantes, o investigador japonês expôs as cobaias a diferentes estilos musicais. E foi assim que descobriu que as cobaias que ouviam música clásica sobreviveram mais do dobro do tempo das cobaias que foram expostas à música Pop.

Segundo o investigador, os ratinhos expostos a sessões contínuas de La Traviata de Verdi sobreviveram, em média, 26 dias após a operação. Os ratinhos que escutaram uma seleção de concertos de Mozart sobreviveram em média 20 dias, após transplante.

Em contrapartida, as cobaias que foram sujeitas a música de Enya duraram em média 11 dias; e as que foram sujeitas a sons monocórdicos não foram além de sete dias, informa a NewScientist.

Também foram feitas experiências com ratinhos surdos, mas estas cobaias também morreram ao cabo de sete dias, apesar de escutarem música clássica. O que levou os investigadores japoneses a concluir que não são as vibrações, mas as harmonias usadas na música clássica que têm a capacidade para retardar a rejeição de órgãos transplantados.

Em breve, os investigadores vão testar esta vertente da musicoterapia em pessoas que receberam transplantes.

ATENÇÃO:ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Vídeos

Testamos o Xperia L com um design bem conseguido e que pode ser controlado facilmente com uma mão apenas. Um dos grandes destaques é a câmara com funcionalidades avançadas.

Conduzimos o Volvo V60: um carro elétrico desportivo potente e seguro para ser usado como familiar. 

Testamos um tablet da Samsung com um design fino e leve e um ecrã com um dos mais elevados contrastes de que nos recordamos. 

Conduzimos o e-Up, um carro elétrico e compacto da Volkswagen, destinado a circuitos urbanos.

Testamos uns auscultadores B&O Play bastante leves, arejados e com uma excelente qualidade de som.

A Não perder

Finalmente! Há dispositivos que juntam o melhor dos tablets com o melhor dos computadores. Já os testámos e dizemos quais os melhores. E fique a conhecer os phablets que substituem o tablet fora de casa. 

EI Tv

Em destaque neste programa: testamos o Galaxy Tab S, conduzimos o Volvo V60 D6 híbrido, análise ao Sony Xperia L, conheça o projeto Crystal Sense.

Em destaque neste programa: conheça o KeepIT, o fim dos interruptores de casa e o Volkswagen e-Up.

Em destaque neste programa: a primeira licenciatura em Bioinformática em Portugal e as novidades do Peugeot 108.

 

Jorge Barreto Xavier, secretário de Estado da Cultura, criticou quem quer deixar que a cultura dependente apenas e só das leis do mercado.

X

Sabia que o seu Internet Explorer está desatualizado?

Para usufruir da melhor experiência de navegação na nossa página web recomendamos que atualize para uma nova versão. Por favor faça a atualização aqui .