Música clássica aumenta longevidade de quem faz transplantes

23/03/2012 11:29

Mozart e Verdi não são médicos, mas podem ajudar a aumentar a longevidade de quem fez um transplante de coração.

«O concerto da Enya já acabou?»

Masateru Uchiyama, investigador da Universidade Hospital Juntendo, em Tóquio, analisou as reações de ratinhos de laboratório a transplantes de coração e chegou à conclusão que a música clássica pode ter efeitos benéficos para a longevidade.

As experiências exigiram o sacrifício de vários ratinhos, que foram sujeitos a transplantes de corações não compatíveis. No período que se seguiu aos transplantes, o investigador japonês expôs as cobaias a diferentes estilos musicais. E foi assim que descobriu que as cobaias que ouviam música clásica sobreviveram mais do dobro do tempo das cobaias que foram expostas à música Pop.

Segundo o investigador, os ratinhos expostos a sessões contínuas de La Traviata de Verdi sobreviveram, em média, 26 dias após a operação. Os ratinhos que escutaram uma seleção de concertos de Mozart sobreviveram em média 20 dias, após transplante.

Em contrapartida, as cobaias que foram sujeitas a música de Enya duraram em média 11 dias; e as que foram sujeitas a sons monocórdicos não foram além de sete dias, informa a NewScientist.

Também foram feitas experiências com ratinhos surdos, mas estas cobaias também morreram ao cabo de sete dias, apesar de escutarem música clássica. O que levou os investigadores japoneses a concluir que não são as vibrações, mas as harmonias usadas na música clássica que têm a capacidade para retardar a rejeição de órgãos transplantados.

Em breve, os investigadores vão testar esta vertente da musicoterapia em pessoas que receberam transplantes.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Vídeos

Lumia 640XL em análise

Testamos o mais recente smartphone da Microsoft a chegar ao mercado. Um terminal grande, retangular e de linhas simples, com um ecrã HD e com Windows Phone.

LG G Flex 2 em análise,

Já testámos a segunda geração daquele que é o primeiro smartphone curvo do mercado. O topo de gama da LG pode ser segurado de forma mais fácil.

Repórter EI: Smart Companion

Mostramos a app Smart Companion, que o Instituto Fraunhoffer usou para acompanhar o dia a dia de cem idosos. A aplicação foi criada no âmbito do programa AAl4All, onde empresas e laboratórios desenvolvem tecnologias que podem ajudar os mais velhos.

Um robô a suturar a pele de uma uva

Um vídeo que mostra a precisão incrível de um robô cirurgião.

Exame Informática TV n.º 442

Em destaque neste programa: revelamos um pequeno computador com projetor incluído e temos uma estação meteorológica que pode usar em casa.

Exame Informática 240, maio

Há 20 anos, Nokia e Ericsson dominavam nos telemóveis; havia computadores Compaq, Digital e CityDesk; a navegação na Net fazia-se a 56 Kbps e com Netscape; pesquisar era com Altavista, e o Windows 95 era o máximo. Mas nem tudo mudou em 20 anos: nos últimos 240 meses, a Exame Informática nunca parou de dar a conhecer as novidades das tecnologias. 

EI Tv

Exame Informática TV n.º 442

Em destaque neste programa: revelamos um pequeno computador com projetor incluído e temos uma estação meteorológica que pode usar em casa.

Exame Informática TV n.º 441

Em destaque neste programa: colocamos à prova as curvas do LG G Flex 2 e mostramos uma app que ajuda os idosos a encontrar o caminho de volta a casa. 

Exame Informática n.º 440

Em destaque neste programa: a entrega dos prémios Exame Informática e visitamos uma fábrica da Zeiss na Alemanha.