Música clássica aumenta longevidade de quem faz transplantes

23/03/2012 11:29

Mozart e Verdi não são médicos, mas podem ajudar a aumentar a longevidade de quem fez um transplante de coração.

«O concerto da Enya já acabou?»

Masateru Uchiyama, investigador da Universidade Hospital Juntendo, em Tóquio, analisou as reações de ratinhos de laboratório a transplantes de coração e chegou à conclusão que a música clássica pode ter efeitos benéficos para a longevidade.

As experiências exigiram o sacrifício de vários ratinhos, que foram sujeitos a transplantes de corações não compatíveis. No período que se seguiu aos transplantes, o investigador japonês expôs as cobaias a diferentes estilos musicais. E foi assim que descobriu que as cobaias que ouviam música clásica sobreviveram mais do dobro do tempo das cobaias que foram expostas à música Pop.

Segundo o investigador, os ratinhos expostos a sessões contínuas de La Traviata de Verdi sobreviveram, em média, 26 dias após a operação. Os ratinhos que escutaram uma seleção de concertos de Mozart sobreviveram em média 20 dias, após transplante.

Em contrapartida, as cobaias que foram sujeitas a música de Enya duraram em média 11 dias; e as que foram sujeitas a sons monocórdicos não foram além de sete dias, informa a NewScientist.

Também foram feitas experiências com ratinhos surdos, mas estas cobaias também morreram ao cabo de sete dias, apesar de escutarem música clássica. O que levou os investigadores japoneses a concluir que não são as vibrações, mas as harmonias usadas na música clássica que têm a capacidade para retardar a rejeição de órgãos transplantados.

Em breve, os investigadores vão testar esta vertente da musicoterapia em pessoas que receberam transplantes.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Vídeos

Samsung Galaxy S6 e S6 Edge em análise

Testamos os novos terminais topo de gama da Samsung. Ambos são exatamente iguais por dentro e constituídos apenas por uma peça, o que faz com que não se possa aceder à bateria. 

Wiko Ridge 4G em análise

A Wiko já ocupa o segundo lugar dos fabricantes de smartphones livres de operador. O Ridge 4G é um modelo de classe média e que apresenta uma relação qualidade-preço interessante. 

Nintendo 3DS e 3DS XL em análise

Já jogamos nas novas edições da Nintendo 3DS, que trazem ecrãs maiores face aos modelos anteriores, mas ainda não oferecem alta definição.

Lentes que ajudam daltónicos

Fomos até à Universidade do Minho onde está a ser desenvolvida uma nova geração de lentes que permite aos daltónicos identificarem todas as cores do arco-íris. As primeiras lentes poderão chegar ainda antes do final do ano.

Ford Mondeo 2.0 TDCi SW Titanium

Já conduzimos o Ford Mondeo. Este modelo prova que não é preciso investir numa marca de luxo para ter a melhor tecnologia a bordo.

Exame Informática 238, abril

Explicamos como preparar as crianças para o futuro, apresentamos à maior análise jamais feita aos serviços de TV portugueses, mostramos um veículo do futuro desenvolvido em Portugal, testamos o primeiro smartphone Ubuntu...

EI Tv

Exame Informática 434

Em destaque neste programa: revelamos os novos topo de gama da Samsung e conhecemos umas lentes desenvolvidas para ajudar os daltónicos

Exame Informática 433

Em destaque neste programa: jogamos nas novas consolas portáteis da Nintendo e mostramos o primeiro detetor de otites desenvolvido em Portugal

Exame Informática 432

Em destaque neste programa: testamos o primeiro phablet construído pela Google e conduzimos o novo Ford Mondeo.