exameinformatica

Uma parceria EXPRESSO

Siga-nos nas redes

Perfil

Ciência

Há uma caixa que mantém os órgãos vivos

Cirurgiões estão a conseguir manter os órgãos vivos mais tempo depois dos pacientes morreram. Para já, o dispositivo que se assemelha a uma caixa tem sido usado para reanimar corações que ficam a bater até serem colocados no recetor.

  • 333
O dispositivo que permite ao coração voltar a bater depois de ter sido retirado do corpo do dador

O dispositivo que permite ao coração voltar a bater depois de ter sido retirado do corpo do dador

A Technology Review chama “coração numa caixa” ao dispositivo que permite manter um coração a bater depois de este ter sido retirado de um paciente declarado morto. Num transplante efetuado este ano no Reino Unido, os cirurgiões reanimaram um coração 20 minutos após este ter parado de bater no corpo do dador.

O pequeno carrinho (que custa 250 mil dólares) tem um sistema de oxigénio integrado, uma câmara de esterilização e tubos que estão ligados ao corpo do dador e de onde provêm os nutrientes e o sangue que permitem ao coração manter-se a funcionar durante mais tempo. O desenvolvimento deste dispositivo está a permitir aos cirurgiões no Reino Unido e na Austrália a manterem os corações a bater durante mais tempo (depois de declarado o óbito) e à recuperação de órgãos que, no passado, se perdiam.

O sistema foi desenvolvido pela Transmedic nos Estados Unidos, mas ainda aguarda aprovação pelos reguladores desse país. Diz a Technology Review, citando médicos, que a utilização deste dispositivo pode aumentar a transplantação de coração entre 15 a 30%.

  • 333
  • O ataque WannaCry, que sequestrou dados de milhares de computadores em todo o mundo, veio dar razão aos alertas dos especialistas em segurança que têm vindo a alertar constantemente para o crescimento e perigos deste tipo de ataque. Felizmente, como acontece com a esmagadora maioria do malware, há formas de evitar esta e outras "infeções"