exameinformatica

Uma parceria EXPRESSO

Siga-nos nas redes

Perfil

Ciência

Volvo vai testar carros sem condutor em Londres e Gotemburgo

A Volvo acredita que os automóveis autónomos podem permitir uma redução de 30% no número de acidentes provocados pelos condutores.

  • 333

Hugo Séneca

Depois da Califórnia, é a vez de Londres e Gotemburgo se juntarem ao lote de locais pioneiros dos testes dos carros autónomos. A Volvo fez saber que pretende iniciar testes com carros sem condutores nas ruas da capital britânica e da cidade sueca durante o próximo ano.

O projeto que, no Reino Unido, adotou a denominação Drive Me London, com um número limitado de carros. Em 2018, prevê-se que a marca nórdica expanda os testes para um total de 100 veículos, que deverão transportar não só pilotos de testes, como também famílias, informa a BBC.

A Volvo acredita que os carros autónomos podem potenciar a segurança nas estradas – uma característica que sempre foi especialmente valorizada na marca nórdica. Os números compilados pela Volvo revelam que 90% dos acidentes viários têm por origem erros dos condutores. Os responsáveis da fabricante de carros acreditam que os condutores robotizados poderão proporcionar uma redução de 30% no total de acidentes causados por falha do condutor.

Os responsáveis da Volvo já revelaram alguns bairros de Londres que deverão acolher os primeiros testes, mas falta apurar se vão ser tomadas medidas específicas no que toca às ruas em que os veículos autónomos poderão, eventualmente, ter de partilhar as faixas de rodagem com peões e carros guiados por humanos.

A Volvo, que também tem vindo a trabalhar nos carros autónomos com a Google e a Ford, recorda que é necessário proceder à atualização de leis para que os carros autónomos se tornem uma realidade. Håkan Samuelsson, presidente da Volvo, deixou o repto para os decisores políticos de vários pontos do mundo para «a necessidade de pôr em prática legislação e infraestrutura que permita que os carros autónomos circulem nas ruas o mais cedo possível. A indústria automóvel não pode fazê-lo sozinha. Precisamos da ajuda governamental».

  • 333