exameinformatica

Uma parceria EXPRESSO

Siga-nos nas redes

Perfil

Ciência

Cientista da ExoMars: destruição do módulo Schiaparelli é «plausível»

Os propulsores que deveriam desacelerar a descida do módulo Schiaparelli rumo a Marte terão funcionado apenas três ou quatro segundos. Jorge Vagos, cientista que participa na ExoMars, admite como plausível o pior dos cenários. Poderá demorar semanas ou mesmo meses a ter uma confirmação oficial sobre o sucedido ontem na aterragem em Marte.

  • 333

Jorge Vago, cientista da Missão ExoMars, admitiu hoje que as comunicações recebidas ontem ao início da tarde possam ter sido as últimas do módulo Schiaparelli. «(o despenhamento) É plausível. Tendo em conta o que se sabe agora (a aterragem suave) é improvável», comentou o cientista da Agência Espacial Europeia (ESA), citado pelo The Guardian.

Grande parte do mistério estará agora centrada nos propulsores que o módulo ativou para travar a queda livre rumo ao solo marciano. Os dados recebidos por rádio revelam que estes propulsores só terão funcionado três a quatro segundos – quando o roteiro da missão previa 30 segundos de funcionamento, para garantir uma redução de velocidade que garantisse uma aterragem sem percalços.

O módulo manteve o envio de dados durante os 19 segundos que se seguiram à desativação dos propulsores. O computador de bordo ainda chegou a sinalizar a entrada na sequência, mas o módulo deixou de enviar sinais 50 segundos antes do esperado.

Jorge Vago acredita que a desaceleração alcançada pelo curto período em que os propulsores funcionaram tenha sido insuficiente para evitar a destruição. «Tendo em conta que estamos a falar de um “lander” que está a descer a velocidades de 200 Km/h ou coisa do género… isto pode querer dizer que perdemos o “lander”», acrescenta Jorge Vago, citado pelo The Guardian.

Apesar destas declarações mais pessimistas (ou realistas…) de um dos cientistas que trabalham na missão ExoMars, a ESA ainda não confirmou oficialmente a perda do “lander” Schiaparelli.

Os dados que têm vindo a ser trabalhados pelos cientistas da ESA revelam que os primeiros cinco minutos da descida do módulo Schiaparelli decorreram sem aparente problema. O radar foi ativado como previsto, assim como o escudo protetor de calor, que evita que o módulo expluda com os efeitos do atrito, e os paraquedas que contribuem para a desaceleração do módulo antes de entrar numa curta queda livre, antes da aterragem.

Os dados revelam ainda que todos estes dispositivos foram ativados quando se tratou de reduzir a velocidade de descida de 21 mil km/h hora para uma velocidade que não excedia os 240 Km/h. Os cientistas confirmam que o paraquedas terá sido ativado 30 segundos antes do tempo – mas tudo leva a crer que terão sido os propulsores e não os paraquedas os causadores de um eventual despenhamento.

Na memória dos investigadores da ESA deverá figurar a experiência registada com o Beagle 2, uma sonda desenhada para aterrar em Marte, que viajou em 2003 juntamente com o orbitador Mars Express, mas viria a ser dada como perdida até, ser redescoberta dez anos depois, como estando operacional, mas incapaz de comunicar devido a uma falha nas antenas.

Na ESA, há a expectativa de que não seja necessário esperar tanto tempo para descobrir a localização do módulo Schiaparelli. A NASA, que se manteve fora desta missão e mantém-se na vanguarda da exploração de Marte, poderá contribuir para revelar o que realmente se passou: O orbitador Mars Reconaissance está a recolher imagens do local em que o “lander” Schiaparelli terá caído. A análise das imagens poderá prolongar-se por semanas ou meses.

A denominação de “lander” deve-se ao facto de o módulo Schiaparelli ter sido desenhado com o objetivo de aterrar na superfície de Marte. A missão ExoMars conta ainda com um segundo módulo, o TGO, que ontem foi bem sucedido a entrar em órbita. Este módulo não deverá aterrar no planeta Marte e tem como emissão encaminhar as comunicações do lander Schiaparelli e ainda o estudo da atmosfera do planeta Vermelho.

  • 333
  • ExoMars: em busca do módulo desaparecido em Marte

    Ciência

    A ESA confirma que os propulsores do módulo Schiaparelli foram ativados um pouco antes do tempo e deixaram de funcionar antes do momento previsto para a aterragem. Cientistas da ESA admitem que os dados não animadores quanto ao desfecho do módulo que deveria marcar a estreia da Europa a Marte.

  • Afinal, há ou não vida em Marte?

    Ciência

    Sem a intervenção do Instituto de Plasmas e Fusão Nuclear, de Lisboa, a missão ExoMars seria bem diferente. No Porto, há uma empresa que toma medidas drásticas contra a contaminação biológica de Marte. Pode não parecer, mas Portugal está em vias de chegar a Marte.

  • Hoje, a Europa chega a Marte. Ou talvez não

    Ciência

    A Agência Espacial Europeia não pôde confirmar hoje que o módulo Schiaparelli aterrou em Marte. Só a análise dos sinais enviados pela Mars Express poderá revelar o estado em que se encontra este módulo da missão ExoMars. Pelo contrário, o Orbitador de Deteção de Gases já deu sinal de vida.