exameinformatica

Uma parceria EXPRESSO

Siga-nos nas redes

Perfil

Ciência

Fukushima apresenta radiações recorde, depois do incidente de 2011

Um robô equipado com sensores e câmaras registou a leitura mais elevada de radiações em Fukushima desde o incidente de 2011 e detetou um buraco de um metro no contentor que lá foi colocado.

  • 333

Exame Informática

A Tepco enviou um robô com uma câmara e fez uma descoberta alarmante: a radiação no local chega aos 530 sieverts por hora. Uma dose de um sievert causa náuseas e uma dose de dez sieverts é fatal em poucas semanas. Até aqui, o nível mais elevado detetado na instalação de Fukushima era de 73 sieverts por hora.
A Tepco e outras empresas que têm tentado remediar a situação ja enviaram cinco robôs para o local e nenhum deles voltou.

Acreditava-se que o contentor pressurizado colocado em Fukushima estava a ser capaz de conter os elementos radioativos, mas este robô pode ter descoberto um buraco que fez com os materiais perigosos vertessem para o contentor exterior.

As autoridades estão encarregues de encontrar um plano para resolver a situação até 2018. Desativar a fábrica de Fukushima, nas condições em que se encontra, terá um custo de 190 mil milhões de dólares, o dobro do estimado inicialmente.

  • 333