exameinformatica

Uma parceria EXPRESSO

Siga-nos nas redes

Perfil

Ciência

Poderá este ser o fim dos buracos nas estradas?

Investigadores de uma universidade holandesa desenvolveram uma solução com base em asfalto com propriedades auto regenerativas. Além disso, os responsáveis acreditam que, com a mistura de fibras de aço condutoras, o pavimento poderia servir também para carregar veículos eléctricos.

  • 333

Ruben Nascimento Oliveira

Um grupo de investigadores holandeses poderá ter a solução para tapar buracos nas estradas sem causar os típicos cortes de faixas que acabam normalmente em trânsito congestionado por vários dias. Erik Schlangen, cientista de materiais da universidade de tecnologia de Delft propõe uma solução com base em asfalto com capacidades auto regenerativas. Na constituição deste tipo de material a ser utilizado no pavimento serão misturadas fibras de aço condutoras, que graças ao calor gerado por uma grande máquina de indução permitem que pequenos buracos fechem sozinhos, revela o The Verge.

O novo material já está a ser testado em estradas holandesas abertas ao público desde 2010 e, por enquanto, estão todas em condições perfeitas. No entanto, Schlangen destaca que até as estradas de asfalto normal permanecem em bom estado entre sete a dez anos, pelo que só começaremos a ver a diferença nos próximos anos.

O investigador explicita também a possibilidade de utilizar as fibras de aço condutoras para fazer chegar energia a veículos eléctricos enquanto estes estão parados no trânsito, mas salienta que ainda é cedo para saber se seria algo viável. Para funcionar, os veículos teriam também de estar equipados com um sistema de carregamento wireless.

O preço para a pavimentação de estradas deste género seria aproximadamente 25 por cento mais que o normal, sem contar com o preço de equipamentos adicionais.

  • 333
  • O ataque WannaCry, que sequestrou dados de milhares de computadores em todo o mundo, veio dar razão aos alertas dos especialistas em segurança que têm vindo a alertar constantemente para o crescimento e perigos deste tipo de ataque. Felizmente, como acontece com a esmagadora maioria do malware, há formas de evitar esta e outras "infeções"