exameinformatica

Uma parceria VISÃO

Siga-nos nas redes

Perfil

Ciência

A misteriosa cratera que está por baixo da Gronelândia

Natural History Museum of Denmark

Investigadores da Universidade de Copenhaga revelaram ter descoberto a existência de uma cratera de 31 quilómetros de largura por baixo da Gronelândia. O local está cheio de gelo e, por isso, ainda não tinha sido identificado.

  • 333

Exame Informática

Monitorizações feitas por radar (para medir o degelo na Gronelândia) revelaram a existência de uma cratera com mais de 30 quilómetros de largura. Estas leituras permitem ver o gelo à superfície, algumas das camadas interiores e, por vezes, também o solo rochoso por baixo. Recentemente, os investigadores detetaram uma depressão circular suspeita, medindo cerca de 320 metros de profundidade. A equipa decidiu ir investigar o tema no solo, no glaciar Hiawatha, nordeste da Gronelândia.

A primeira dificuldade foi conseguir chegar à depressão, que estava localizada sob 900 metros de gelo glaciar. Os investigadores tiveram de analisar sedimentos encontrados na borda do glaciar, ao longo de canais de drenagem e encontraram pequenos pedaços de quartzo que revelaram tratar-se de uma cratera causada por impacto de um asteroide. Estes sedimentos têm uma composição química diferente do leito rochoso da zona, com mais ferro, níquel e outros elementos tipicamente associados a meteoritos de ferro, explica o Ars Technica. A equipa estima que, para provocar tal cratera, o meteorito medisse 1,5 quilómetros de diâmetro.

A melhor teoria dos investigadores sobre a data da colisão baseia-se na aparência da camada de gelo aos “olhos” do radar. Aqui, é possível ver uma camada brilhante e suave até ao fundo e trabalhos noutras regiões estimam que este gelo tenha 12 mil anos. Abaixo disso, há uma camada mais escura e caótica que poderá ter sido formada durante o período geológico conhecido como Dryas recente, datado de 11700 a 12800 anos, e que não aparece nas redondezas, fora da cratera. Assim, e não havendo consenso sobre a data da colisão, há várias teorias a apontaram para algures entre 2,6 milhões de anos e 12 mil anos atrás.