exameinformatica

Uma parceria VISÃO

Siga-nos nas redes

Perfil

Ciência

Encontro de astrofísica recebe os responsáveis pelo maior radiotelescópio do mundo em Lisboa

CSIRO

Alguns dos membros do grupo de trabalho SKA Pathfinder Radio Continuum Survey (SPARCS) estão em Portugal para discutir os resultados científicos, dentro dos objetivos de pesquisa do SKA, bem como os estudos sobre a validação dos dados, metodologias de formação de imagem e a aplicação de sistemas de inteligência artificial na análise de dados em radioastronomia

  • 333

Francisco Garcia

Está a decorrer o encontro internacional organizado pelo Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço (IA), para discutir projetos que poderão influenciar o desenvolvimento do SKA, o próximo maior radiotelescópio do mundo. O evento, que dá pelo nome de SPARCS IX – Pathfinders get to work”, arrancou a 6 de maio na faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa e recebeu alguns dos membros do grupo de trabalho SKA Pathfinder Radio Continuum Survey (SPARCS), que reunem vários projetos e infraestruturas mais importantes para o futuro do rádiotelescópio Square Kilometre Array (SKA2).

O SPARCS tem como objetivo coordenar esforços e partilhar experiências para aprimorar o entendimento do Espaço, através de rastreios de determinadas áreas do céu feitos com rádio frequências, que permitirão compreender melhor a formação e evolução das galáxias.

Como precursores, o SKA terá radiotelescópios da próxima geração ou atualizações de infraestruturas já existentes, que estão distribuídos por vários países, nomeadamente, a Austrália, Países Baixos, Reino Unido, África do Sul e Índia.

No encontro serão também discutidos os resultados científicos, dentro dos objetivos de pesquisa do SKA, bem como os estudos sobre a validação dos dados, metodologias de formação de imagem e a aplicação de sistemas de inteligência artificial na análise de dados em radioastronomia.

«Este encontro, que reúne investigadores associados aos melhores radiotelescópios existentes, permitirá promover e consolidar a participação portuguesa em vários dos projetos percursores do SKA e no desenvolvimento do próprio SKA», disse José Afonso, coordenador do IA, investigador da FCUL e membro do Comité de Organização Científica deste encontro SPARCS IX.

  • 333