exameinformatica

Uma parceria VISÃO

Siga-nos nas redes

Perfil

Ciência

Investigador defende que há vida em Marte

Michael Finney, investigador do The Genome Partnership, acredita que exista vida atualmente em Marte e que as nossas missões ao “planeta vermelho” ainda só permitiram revelar uma parte infíma dos segredos daquela área do universo.

  • 333

Exame Informática

As várias missões científicas a Marte permitiram concluir que o planeta teve condições para albergar vida e que esta terá mesmo existido algures no passado. As sondas e sensores não mostraram qualquer sinal que algum organismo vivo ainda subsista nos dias de hoje, mas o cientista Michael Finney acredita que existe vida atualmente em Marte.

«Se houve vida em Marte há quatro mil milhões de anos, nada aconteceu em Marte que tenha exterminado todas as formas de vida desde essa altura. Assim, se havia vida em Marte, esta poderá ter-se movimentado, talvez se tenha escondido um pouco, mas ainda está provavelmente lá», disse Finney, numa palestra na Universidade de Berkeley, citado pelo BGR.

Na Terra, há vida em alguns dos ambientes mais hostis, pelo que não é de descartar que o mesmo possa acontecer em Marte. Os microorganismos conseguem sobreviver em condições de temperaturas extremas ou mesmo sem acesso a água por longos períodos de tempo e algo semelhante pode estar a acontecer em Marte.

Só com mais missões exploratórias a Marte será possível confirmar ou rejeitar esta teoria.

  • 333
  • Didimo: criar modelos virtuais de caras a partir de fotos de telemóvel

    Reporter EI

    A Didimo está a criar réplicas virtuais dos rostos de pessoas com base em fotografias tiradas pelo telemóvel. A startup do Porto parte de pontos de referência das imagens captadas e as réplicas são processadas na Internet. Os Didimos conseguem refletir cinco poses e treze expressões faciais de forma dinâmica. A empresa já tem parcerias com a Sony e Amazon e vai apostar agora nos videojogos.

  • UnexMin: o robô que explora minas

    Reporter EI

    Fomos até Nelas, perto de Viseu, ver um projeto internacional que envolve 12 entidades europeias na criação de um robô que ajuda na exploração de urânio. Com os sensores que tem, o robô vai reconstruindo o ambiente onde foi largado, desenhando um mapa do local. O aparelho não serve para extração de minério, mas é bastante útil para fazer o reconhecimento, essencial para o planeamento de missões futuras. Os Unexmin podem ser usados até 500 metros de profundidade, contam com oito motores e um pêndulo e podem ajudar empresas e entidades que queiram retomar a exploração de minas abandonadas.