exameinformatica

Uma parceria VISÃO

Siga-nos nas redes

Perfil

Ciência

Google treina Inteligência Artificial para detetar cancro do pulmão

Getty Images

Getty Images

Um dos fatores essenciais no combate à mortalidade por cancro do pulmão é a deteção precoce. A Google quer ajudar neste campo, pondo a Inteligência Artificial ao serviço dos rastreios.

  • 333

Exame Informática

O cancro do pulmão é o mais moral deste tipo de doenças, causando 1,7 milhões de mortes, mais do que o cancro da mama, da próstata e colorectal juntos. Os especialistas estão de acordo que a deteção em fases avançadas minimiza as hipóteses de sucesso de tratamento e que uma deteção antecipada seria o ideal para aumentar as probabilidades de combate.

A Google pretende que o seu algoritmo de Inteligência Artificial seja treinado para avaliar centenas de imagens para identificar indícios subtis de tecido maligno ou nódulos que sejam indicadores de possível cancrdo do pulmão. O sistema vai ser capaz de ter em consideração análises e imagens anteriores, de forma a estabelecer uma evolução e perceber se houve crescimento dos tecidos suspeitos, ntoica o Engadget.

O modelo ja foi usado para analisar mais de 45 mil imagens, contrapondo as suas conclusões com as análises de radiologistas credenciados. Nos primeiros testes, a IA detetou 5% mais casos de cancro do que a equipa humana e reduziu a taxa de falsos positivos por 11%.

Estes trabalhos estão ainda numa fase muito inicial e a equipa de especialistas da Google precisa de mais tempo, testes e investigação clínica para poderem apostar em disponibilizar esta ferramenta ao público.

  • 333
  • UnexMin: o robô que explora minas

    Reporter EI

    Fomos até Nelas, perto de Viseu, ver um projeto internacional que envolve 12 entidades europeias na criação de um robô que ajuda na exploração de urânio. Com os sensores que tem, o robô vai reconstruindo o ambiente onde foi largado, desenhando um mapa do local. O aparelho não serve para extração de minério, mas é bastante útil para fazer o reconhecimento, essencial para o planeamento de missões futuras. Os Unexmin podem ser usados até 500 metros de profundidade, contam com oito motores e um pêndulo e podem ajudar empresas e entidades que queiram retomar a exploração de minas abandonadas.

  • Investigador defende que há vida em Marte

    Ciência

    Michael Finney, investigador do The Genome Partnership, acredita que exista vida atualmente em Marte e que as nossas missões ao “planeta vermelho” ainda só permitiram revelar uma parte infíma dos segredos daquela área do universo.