exameinformatica

Uma parceria VISÃO

Siga-nos nas redes

Perfil

Ciência

Investigadores querem transformar cabos subaquáticos de fibra em sismógrafos

A Altice reforçou a aposta nas redes de fibra ótica, através de um acordo com 10 juntas de freguesia

Juhari Muhade

Uma equipa da Universidade de Berkeley propõe criar uma vasta rede de sismógrafos transformando a infraestrutura de cabos de fibra subaquáticos.

  • 333

Exame Informática

Os cientistas de Berkeley propõem transformar os cabos subaquáticos de fibra já existentes numa rede de aparelhos de medição de atividade sísmica. A maior parte dos dados recolhidos atualmente pelos sismólogos advem de instrumentos colocados em terra, o que faz com que não exista muita informação sobre a atividade que ocorre nos oceanos.

«Qualquer instrumento que se leve para o oceano, nem que seja só a 50 quilómetros da costa, vai obter informação muito útil», explica Nathaniel Lindsey, coordenador do estudo. A solução de transformar a estrutura de cabos subaquática surge porque é bastante complexo e dispendioso colocar, manter e aceder a instrumentos de medição com a precisão necessária.

A equipa de Lindsey propõe usar as dispersões e distorções da luz que transita nos cabos de fibra ótica e que transporta dados. A monitorização destas distorções, que acontecem exatamente onde os cabos dobram e em que extensão, por vezes com apenas alguns nanómetros, permite detetar atividade sísmica com um grau elevado de precisão. A medição é conseguida através de uma técnica conhecida por DAS, de Distributed Acoustic Sensing ou Sensibilização Acústica Distribuída, que trata cada cabo como uma série de milhares de sensores de movimento, noticia o Tech Crunch.

Jonathan Ajo-Franklin, do Laboratório Nacional de Berkeley, afirma que «é a primeira vez que alguém tenta usar cabos de fibra ótica offshore para olhar para este tipo de sinais oceanográficos».

A equipa vai continuar a trabalhar para perceber se toda a distorção medida só se deve a fenómenos sísmicos ou se tem qualquer outra justificação. Se for bem sucedida, a experiência deve passar pela utilização de cabos cada vez maiores para servir de instrumentos de investigação.

  • 333