exameinformatica

Uma parceria EXPRESSO

Siga-nos nas redes

Perfil

Hardware

Sony Alpha 9: o ataque ao mercado profissional com a câmara de €5300

A Sony quer crescer 12% no mercado português este ano e, para tal, conta com um portefólio onde se destaca uma câmara fotográfica para profissionais, novas TVs 4K OLED HDR e colunas portáteis sem fios com tecnologia Extra Bass.

  • 333
Paulo Matos

Paulo Matos

Jornalista

A Sony apresentou em Lisboa a sua nova gama de produtos, que assenta em três grandes áreas: TVs, câmaras fotográficas e áudio (auscultadores e colunas). O principal destaque é a nova Alpha 9, a câmara fotográfica com que a Sony pretende singrar no mercado profissional.

Os responsáveis da empresa definiram a A9 como um “game changer” (que, em tradução livre, pode significar “revolucionária”) e destacaram o facto de ter um desempenho superior às SLRs mecânicas. Esta câmara apresenta um visor eletrónico sem bloqueios e um obturador anti-distorção que é silencioso. O sensor CMOS é de 24 MP, tem estabilizador de cinco eixos, 693 pontos de focagem, porta LAN e duas entradas para cartões SD. Estará à venda a partir desta quinta-feira e custa €5300.

A nível de televisores, as atenções concentraram-se no Bravia A1, que é OLED 4K HDR e tem um design que privilegia o painel, ou seja, não há moldura ou colunas. Aliás, esta TV recorre a algo que foi batizado de Acoustic Surface, e que, basicamente, significa que todo o televisor funciona como altifalante, o que contribui para a espacialidade do som. O modelo de 55” custa €4000, enquanto o de 65” vai aos €6000 e ambos já estão disponíveis no mercado português.

No que diz respeito ao áudio, a Sony mantém a aposta na família Extra Bass. Assim, foram apresentadas quatro novas colunas portáteis sem fios – XB10, XB20, XB30 e XB40 –, que são mais vocacionadas para um público jovem que privilegia músicas onde imperem os graves potentes. Os preços oscilam entre os €59 e os €240.

De acordo com Tyler Ishida, diretor ibérico da Sony, estes produtos contribuirão para o ano de viragem da empresa a nível de resultados. Aliás, o executivo revelou que as perspetivas para Portugal apontam para um crescimento de 12% em 2017.