exameinformatica

Uma parceria EXPRESSO

Siga-nos nas redes

Perfil

Insólitos

A aventura da câmara que foi ao Espaço e é descoberta dois anos depois no deserto

Hugo Séneca

  • 333

Em 2013, um grupo de amigos enviou um balão atmosférico para o espaço. Dois anos passados, os equipamentos foram recuperados no deserto, a 75 quilómetros do Grand Canyon.

Hugo Séneca

Era apenas um balão atmosférico, daqueles que sobem aos confins da estratosfera e rebentam de seguida. Em 2013, Bryan Chan e os respetivos amigos não tinham pretensões a fazer história na indústria aeroespacial, mas seguiram os requisitos técnicos fundamentais para poderem fazer uma previsão sobre o local onde a câmara e o recipiente em que seguiam outros equipamentos haveriam de cair depois de se elevarem ao “teto” do mundo. E por isso solicitaram um mapa da cobertura da rede móvel da AT&T nas imediações do Grand Canyon, nos EUA, e fizeram cálculos relativos ao local da queda dos equipamentos.

Como previsto, o balão haveria de estoirar 87 minutos depois de ser solto nas imediações do Grand Canyon. O grupo de amigos tinha a expectativa de localizar os equipamentos que subiram ao Espaço através do sinal enviado através da rede da AT&T.

A princípio, o grupo de Bryan Chan achou que tinha feito os cálculos errados e que os equipamentos tinham caído fora da zona de cobertura da AT&T… e, curiosamente, a própria AT&T haveria de ter um papel determinante na recuperação dos equipamentos e dos vídeos desta viagem passados dois anos.

Segundo a Popular Science, uma profissional da operadora móvel estava a fazer uma caminhada no deserto quando se deparou com os equipamentos e decidiu levá-los consigo. Uma vez nos escritórios da AT&T, a mesma funcionária descobriu um telemóvel com cartão SIM que permitia fazer a localização dos diferentes aparelhos e, de seguida, chegou à identidade de uma das pessoas que levaram a cabo aquela experiência.

É possível que Bryan Chan tenha ficado sensibilizado pela agradável surpresa, mas não perdoa à AT&T, e diz mesmo que a operadora lhe terá dado um mapa errado no que toca à cobertura da rede móvel.

Numa mensagem publicada no Reddit, Bryan Chan lembra que só mesmo uma feliz coincidência permitiu recuperar o equipamento: «O telemóvel aterrou a cerca de 75 quilómetros de distância do local que me lembro que foi usado para o lançamento. É mesmo uma grande distância, uma vez que não há qualquer estrada naquele local».

Semanas mais tarde, o grupo de entusiastas conseguiu aceder aos vídeo captados pela câmara GoPro que se encontrava instalada no balão. É um desses vídeos que se encontram inseridos nesta páginas.

  • 333