exameinformatica

Uma parceria EXPRESSO

Siga-nos nas redes

Perfil

Insólitos

Artista regista patentes de casacos, malas e carteiras com pele de celebridades

Uma designer eslovena acaba de dar a conhecer uma coleção de acessórios de "cabedal" produzido artificialmente a partir de amostras de ADN de Alexander McQueen.

  • 333

Uma carteira com a pele de Scarlett Johansson? Falem com Tina Gorjanc. Uma bracelete com a pele de Robert deNiro? Perguntem quando será lançado a Tina Gorjanc. Uns sapatos com a pele de Taylor Swifft? Talvez só mesmo Tina Gorjanc possa explicar.

Quem é Tina Gorjanc? É uma aluna design eslovena que depois de tirar o curso na escola de artes de Central Saint Martins, Londres, surpreendeu meio mundo com uma exposição com protótipos de acessórios de cabedal produzidos por meios artificiais através de amostras de ADN do designer Alexander McQueen.

Poderia ser o primeiro passo de uma nova marca de vestuário, mas desenganem-se os mais heterodoxos: Tina Gorjanc tem como único propósito chocar os transeuntes e mostrar às autoridades do Reino Unido a facilidade com que conseguiu registar uma patente que lhe concede a exclusividade para explorar a produção de um couro derivado de uma amostra de ADN recolhidas a partir de cabelos do designer britânico que morreu em 2010.

Mais do que uma nova coleção de pronto-a-vestir é um alerta que a designer eslovena pretende lançar com a exposição Pure Human: «A Pure Human é um projeto de design que chama a atenção para os buracos legais em torno da proteção de informação biológica, em particular na Grã Bretanha», referiu a designer eslovena, citada pelo The New York Times.

A designer não se ficou pela produção de pele a partir de amostras de ADN e já solicitou o registo de uma segunda patente que pretende garantir a exclusividade do processo de extração de amostras de ADN que poderão ser usadas na produção de diferentes peças de “cabedal” humano. Mais uma vez, a artista garante que apenas pretende mostrar como a legislação britânica contempla os diferentes usos dados a informação genética para fins clínicos, mas não aplica qualquer regulação ao uso de amostras de ADN para fins comerciais.

Tina Gorjanc diz que amigos e conhecidos de Alexander McQueen lhe terão dito que o designer teria gostado da ousadia da exposição, mas, oficialmente, a Kering, a empresa que detém os direitos de exploração comercial dos produtos desenhados por McQueen reiteram que não foram contactados nem apoiam a exposição.

  • 333