Facebook, Google+ e Twitter não são obrigados a filtrar conteúdos piratas

17/02/2012 10:10

O Tibunal de Justiça da União Europeia decidiu que as redes sociais não são obrigadas a filtrar conteúdos, mesmo que possam violar direitos de autor ou propriedade intelectual de terceiros.

bits.jpg

A sentença surge na sequência de uma queixa da Sabam, a sociedade belga de direitos de autor, e a rede social Netlog. A Sabam exigia que a Netlog filtrasse os conteúdos que disponibiliza, por estarem a violar direitos de autor.

O Tribunal Europeu decidiu agora que não se pode obrigar as redes sociais a filtrar conteúdos, pois dessa forma estaria em causa o direito à liberdade de informação que assiste cada ser humano.

O Tribunal explica que, para haver esse filtro, as redes sociais teriam de analisar todo o conteúdo armazenado nos seus servidores, identificar aquele cuja divulgação violaria os direitos de autor e então bloquear esses ficheiros, explica o El Mundo.

Esta estrutura seria demasiado grande para as redes sociais suportarem, além de que este mecanismo poria em causa a liberdade de informação, lembram os juízes.

Palavras-chave

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Vídeos

Exame Informática 248, Fevereiro

Passa muito tempo nas redes sociais? Então está na altura de começar a ganhar dinheiro no YouTube e no Facebook! Temos um guia sobre impressão 3D e testes ao portátil HP Star Wars, aos telemóveis Nexus 6P e Huawei Mate 8 e a hoverboards. Também conversámos com o guru da tecnologia da Nissan e sentámo-nos numa cadeira que corrige automaticamente a postura.

EI Tv