Fazer um charro e um coquetel molotov? A Wikipédia explica como

Hugo Séneca
15/11/2012 08:55

Faz sentido a Wikipédia explicar as várias formas de consumir canábis? E quem não é adepto do “paz e do amor” pode aprender quais são os ingredientes de um coquetel molotov?

Basta um par de cliques na enciclopédia mais famosa da Internet para saber o que é a canábis e os vários meios de a consumir. O internauta apenas tem de decidir se prefere conhecer um artigo de âmbito biológico, ou se opta por uma explicação mais relacionada com os tipos de consumo e os efeitos que a canábis produz quando inalada ou ingerida. E é nesta segunda entrada da Wikipédia, que surge a explicação que pode revelar-se útil para quem quer iniciar-se no consumo de “erva” ou “marijuana”: além de dar a conhecer as várias formas de consumo do canábis, são referidos com algum detalhe científico os diferentes efeitos produzidos pelos vários modos de consumo, bem como os riscos para a saúde que daí derivam.

Na entrada relativa ao coquetel molotov, a versão em Português da Wikipédia fornece dados que podem ser úteis para quem quer iniciar-se na matéria. A página refere o histórico, componentes e as variantes destes explosivo artesanal – só não refere as proporções que devem ser usadas, o que não livra os mais aventureiros de perigos maiores.

Manuel de Sousa, presidente da Wikimédia Portugal, considera que a informação que consta nas páginas da Wikipédia não difere muito daquela que é costume aparecer noutras enciclopédias. «Não cabe à Wikimédia censurar conteúdos. Se descobrirmos conteúdos questionáveis, debatemos o assunto com outros editores. O facto de ser um representante da Wikimédia não me dá supremacia sobre os outros editores. E nem a fundação que tem os servidores dispõe dessa supremacia. Trata-se de uma iniciativa que cabe aos editores e que tem regras próprias».

Manuel de Sousa considera que um artigo enciclopédico deve dar «informação que permite ter uma visão global de cada assunto. Num artigo sobre droga, é natural que surja informação sobre formas de consumo, cultivo, efeitos ou perigos». No que toca ao artigo do coquetel molotov, Manuel de Sousa rejeita qualquer efeito perverso: «Não é um manual de instruções, dá apenas informação genérica de como funciona. E muito menos incentiva a fazer um coquetel molotov. Também há páginas sobre a bomba atómica, que fornecem informação pormenorizada, e ninguém anda a dizer que estas páginas estão a ser usadas por cientistas que querem fazer bombas atómicas», acrescenta o responsável da Wikimédia.

Não é só nas páginas da Wikipédia que se encontra informação sobre consumo de drogas ou a produção de explosivos. Na Internet, não faltam sites que explicam com detalhes em português, inglês ou espanhol com detalhes sobre modos de preparação e uso. Tito Morais, mentor do projeto Miúdos Seguros na Net (MSnN), relaciona a existência de páginas dedicadas à canábis e ao coquetel molotov com a liberdade de expressão na Internet e relembra que, ao contrário de outras enciclopédias, os artigos da Wikipédia não são produzidos e validados por especialistas.

Tito de Morais acredita que a abundância de informação que pode ser usada para fins ilegais ou impróprios «é o preço a pagar pela liberdade de expressão». O responsável pelo MSnN recorda que há ferramentas tecnológicas que permitem filtrar conteúdos perigosos para a sociedade, mas sublinha que pais e encarregados de educação têm um papel determinante a preparar os jovens internautas para o que podem descobrir na Web. «Até porque hoje as crianças já fazem pesquisas no Google antes de perguntar aos pais», acrescenta.

Tito Morais indica que a publicação de conteúdos enganosos ou danosos para a população não é um fenómeno novo, e a Wikipédia, por ser um site colaborativo onde nenhum editor não é responsável pelos artigos publicados, por mais de uma vez já publicou artigos pouco abonatórios para artistas de TV e políticos nacionais. «Se a Wikipédia fosse minha, limitava esses conteúdos, mas como não sou o proprietário, não posso limitar nem impor critérios a terceiros», conclui Tito de Morais.

ATENÇÃO:ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Vídeos

Fomos ao Instituto Superior Técnico conhecer uma ortótese que estimula os músculos através de corrente elétrica.

Em destaque neste programa: mostramos um chão inteligente e revelamos os novos tablets Magalhães.

Na Universidade de Aveiro, está a ser desenvolvido um pavimento repleto de sensores que permite saber onde está um objeto ou uma pessoa a cada momento.

Testamos um relógio inteligente da Garmin, o Fenix 2. 

Mostramos aqui quatro smartphones que se revelam boas escolhas: o iPhone 6, o Moto X, o LG G3 e o Aquaris E5.

A Não perder

Venha conhecer os portugueses que estão a desenvolver tecnologias que vão melhorar a nossa qualidade de vida e descubra as apps e os gadgets que nos ajudam a ser mais saudáveis. Mas há muito mais nesta edição...

EI Tv

Em destaque neste programa: mostramos um chão inteligente e revelamos os novos tablets Magalhães.

Em destaque neste programa: testamos um painel solar que pode montar facilmente em casa e um smartphone que usa a plataforma Intel.

Em destaque neste programa: revelamos uma bengala cheia de tecnologia e de que forma o Instituto de Telecomunicações do Algarve quer combater o cancro. 

 

Tim Cook confirmou ontem que vai lançar um smartwatch em abril. O preço já se conhecia antes deste anúncio: 349 dólares.

X

Sabia que o seu Internet Explorer está desatualizado?

Para usufruir da melhor experiência de navegação na nossa página web recomendamos que atualize para uma nova versão. Por favor faça a atualização aqui .