Hackers portugueses atacam sites da ONU e do governo dos EUA

30/08/2013 21:12

O coletivo de hackers Team Whit3 Portugal lançou um ataque ao site das Nações Unidas e a um site na dependência do Departamento de Segurança Interna dos EUA. A operação denominada #OpFuckUsa abrange 204 sites.

Depois de ontem anunciar o ataque a 201 sites internacionais, eis que o coletivo de hackers portugueses Team Whit3 Portugal confirmou o lançamento de um ataque a mais 204 sites de governos, empresas e associações internacionais.

Entre os visados pelo raide deste grupo que alega ligações aos Anonymous figuram o site das Nações Unidas e o site Homeland Security Information Network, que é gerido pelo Departamento de Segurança Interna do Governo dos EUA. Neste ataque, encontra-se ainda a página pessoal de George W Bush, ex-presidente dos EUA, que está associada ao site da Casa Branca.

A Exame Informática apurou que os ataques ainda estão na fase inicial: para já, apenas foram publicados, no site Pastebin, os códigos que permitem transfigurar as páginas de entrada dos sites (defacement). Estes códigos também poderão ser usados para posteriores ataques de Cross Site Scripting (XSS), que permitem criar sites forjados ou eventualmente provocar intrusões em redes informáticas; ou para lançar ataques de Denial od Service (DDoS), que congestionam um site ou uma rede informática com múltiplos pedidos de acesso em simultâneo.

Atualmente, os sites das Nações Unidas ou do Homeland Security Information Network continuam a funcionar sem qualquer alteração ou transfiguração. Nesta primeira fase, os hackers apenas se limitaram a explorar vulnerabilidades e a distribuir as ferramentas que vão permitir explorar essas vulnerabilidades. Numa segunda vaga, essas ferramentas poderão ser usadas para vários tipos de ataques.

A analisar pelos códigos publicados no Pastebin, os hackers terão por objetivo principal deixar uma mensagem política contra o governo dos EUA: Obama e o polémico programa Prism são os visados pelas críticas dos hackers portugueses, que recorrem por mais de uma vez à palavra «fuck» para demonstrar repúdio pela política do governo dos EUA e também pelos programas de ciberespionagem norte-americanos.

Na lista de sites visados pela #OpFuckUsa, encontra-se ainda o Serviço Nacional de Meteorologia e o Departamento de Publicações do Governo dos EUA; o Senado das Filipinas e várias outras entidades que dependem dos governos brasileiro, australiano e romeno.

A par da vertente política, o Team Whit3 Portugal assume-se como um grupo de hacktivistas criado com propósitos de deteção e denúncia de falhas e vulnerabilidades informáticas. Em paralelo com as operações levadas a cabo pelos Anonymous, o Team Whit3 vai desenvolvendo ações de "white hat", que, além de não terem propósitos criminosos, têm por propósito alertar as vítimas para as vulnerabilidades que permitiram os ataques a determinados sites ou redes informáticas.

ATENÇÃO:ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Vídeos

Testamos uma pequena impressora que pode levar para qualquer lado e que pode ser usada para imprimir fotos a partir do telemóvel iOS ou Android. 

Testamos uns óculos de sol que incluem uma câmara e um microfone, o que lhes permite gravar vídeo e som em alta definição.

Testamos um monitor com resolução 4K, indicado para quem quer editar vídeos em ultra alta definição.

Testamos dois gadgets que ajudam a localizar objetos do quotidiano como chaves ou carteiras. Use o smartphone para evitar que se esqueça destes objetos em qualquer lado.

Testamos uma unidade SSD que usa as redes sem fios para receber e enviar dados.

A Não perder

 Não é preciso gastar 500 euros para ter um bom smartphone! É o que provamos nesta edição, onde analisamos e comparamos 27 smartphones dos 60 aos 250 euros

EI Tv

Em destaque neste programa:revelamos o serviço MB Way, que transforma o telemóvel em carteira e fomos até à AudioShow e à Lisboa Games Week.

Em destaque neste programa: testamos a EcoTank L555, a primeira impressora da Epson que usa tinteiros recarregados em casa e analisamos o convertível HP, com ecrã que roda completamente. 

Em destaque neste programa: conduzimos um superdesportivo amigo do ambiente e testamos um monitor para quer editar vídeo em ultra alta definição.

 

A KipstR é uma pulseira feita numa impressora 3D e que deteta quando o utilizador adormece em frente à TV para começar a gravar o programa que estava a ser visto.

X

Sabia que o seu Internet Explorer está desatualizado?

Para usufruir da melhor experiência de navegação na nossa página web recomendamos que atualize para uma nova versão. Por favor faça a atualização aqui .