exameinformatica

Uma parceria EXPRESSO

Siga-nos nas redes

Perfil

Internet

IBM e Cisco em colaboração contra o cibercrime

As duas empresas vão apostar na combinação de produtos, serviços e informações relativas a ciberameaças para o benefício dos clientes e da indústria contra este tipo de ataques.

  • 333

Ruben Nascimento Oliveira

A IBM e a Cisco anunciaram que estão a trabalhar de forma conjunta para enfrentar as crescentes ameaças a ciberataques, como aquele que vimos no caso Wannacry, em que um código malicioso acompanhado de uma mensagem de resgate foi capaz de infetar mais de 200 mil computadores em 150 países. Para começar, as soluções de segurança Cisco vão integrar o QRadar da IBM para proteger as redes, terminais e ambientes de cloud computing dos seus clientes, que também vão beneficiar do suporte dos IBM Global Technology Services às soluções da Cisco nas suas ofertas de Managed Security Service Provider (MSSP).

Além disto, a Plataforma IBM Resilient Response (IRP) vai também ser integrada com o Cisco Threat Grid para poder fornecer às equipas de segurança as informações necessárias para que possam existir respostas mais rápidas a ataques informáticos. O objetivo é reduzir ao máximo os impactos que as respostas lentas têm tido neste tipo de incidentes, informa o comunicado da IBM.

O acordo entre as duas empresas também estabelece um novo relacionamento entre as equipas de investigação no campo de segurança IBM X-Force e Cisco Talos. As equipas vão começar a colaborar a nível de inteligência sobre a investigação de ameaças, através da coordenação dos principais incidentes de cibersegurança para garantir que não só os seus clientes mas também a indústria tenham acesso a informação mais relevante.

«Na cibersegurança, uma abordagem baseada em dados é a única forma de as empresas se manterem à frente das ameaças que afetam o seu negócio», firma Bill Heinrich, Chefe e Diretor de Informação e Segurança da BNSF Railway.. «Esta abordagem mais aberta e colaborativa é um passo fundamental para a indústria e para a nossa capacidade de defesa perante a cibercriminalidade», acrescenta.