Breivik treinou no COD: Modern Warfare 2

Dilpesh Laxmidas
20/04/2012 10:21
Junge, Heiko/AFP/Getty Images Muitas horas a jogar Call Of Duty para treinar para o massacre

O alegado assassino de 77 pessoas na Noruega afirmou em tribunal que tirou um ano de licença sabática e esteve a treinar no Call of Duty: Modern Warfare 2 antes do massacre.

Anders Breivik explicou que faria tudo de novo, que treinou durante um ano a jogar COD e que passou 16 horas diárias em World of Warcraft. A CNN noticia ainda que estas alegações levantaram novamente a questão da violência dos videojogos e como esta pode influenciar o comportamento humano.

Apesar de tudo, a comunidade de gamers e cronistas deste segmento voltaram a afirmar que não se pode dizer que há uma ligação entre jogos violentos e a violência real. A questão tornou-se popular com o massacre de Columbine, nos EUA. Na altura, explicou-se que os autores do massacre tinham passado horas a jogar Doom.

Os argumentos de quem diz que não há ligações podem ser divididos em grupos: há milhões de jogadores em todo o Mundo e que não matam pessoas; Breivik estava influenciado não pelos videojogos, mas por ideologias como o racismo ou ideais de extrema-direita; o COD não é realista o suficiente para se treinar massacres e por fim não há estudos conclusivos que provem a ligação entre jogos e realidade.

Palavras-chave

ATENÇÃO:ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Vídeos

Em destaque neste programa: reportagem sobre os Micro Dinos da Science4You e uma análise ao TomTom Multisport Cardio. Veja ainda uma dica sobre apps para tirar mais partido de redes sociais.

Experimentamos o sistema LiveOn TV da Vodafone, um serviço de partilha de vídeo em tempo real de um smartphone ou tablet para a televisão da sala.

Testamos o sistema Garmin Vivofit, uma pulseira pequena, leve e confortável e com um ecrã que fica ligado até um ano. 

Fomos correr com o TomTom Multi-Sport Cardio e gostamos do sensor que mede as pulsações cardíacas através da emissão de um feixe de luz que atravessa a pele.  

Estivemos no Intel Developer Forum e mostramos os planos para termos computadores livres de cabos: conhecemos o WiDi e o Wireless Power para ligar portáteis e tablets a ecrãs e carregar baterias sem fios. 

A Não perder

Os smartwatches chegaram em força! Mas para que servem e quais são os que mercem lugar no nosso pulso? As respostas nesta edição.

EI Tv

Em destaque neste programa: reportagem sobre os Micro Dinos da Science4You e uma análise ao TomTom Multisport Cardio. Veja ainda uma dica sobre apps para tirar mais partido de redes sociais.

Em destaque neste programa: reportagem sobre o SkyOrbiter, um satélite atmosférico feito em Portugal e outra com a Intel nos EUA. Testamos ainda o Asus ZenBook NX500.

Em destaque neste programa: reportagem sobre o drone Ar4 da Tekever e análises ao BQ Aquaris E5 FHD, ao smartwatch Mykronoz da ZeSplash e ao Huawei Ascend Mate 7.

 

No Japão, um homem foi condenado a dois anos de prisão por ter impresso em 3D seis revólveres.

X

Sabia que o seu Internet Explorer está desatualizado?

Para usufruir da melhor experiência de navegação na nossa página web recomendamos que atualize para uma nova versão. Por favor faça a atualização aqui .