Telemóveis, leitores de MP3 e pens USB podem ser taxados em Portugal

Hugo Séneca
04/01/2012 10:35

Os preços de vários equipamentos eletrónicos podem vir a subir, caso seja aprovada uma proposta de lei que prevê a aplicação de uma taxa de compensação dos direitos de autor na Assembleia da República.

Foto Expresso Gabriela Canavilhas quer alterar a lei 62/98

É hoje debatida na Assembleia da República uma proposta de lei que visa aplicar uma taxa de compensação dos direitos de autor aos preços de venda dispositivos eletrónicos que permitem fazer cópias de livros, músicas, vídeos, ou software.

O projeto de lei tem como principal promotora a deputada Gabriela Canavilhas, que pretende alargar o âmbito da lei da cópia privada que hoje é aplicada a todos os discos de CD e DVD "virgens", bem como a grande parte dos dispositivos que permitem reproduzir e gravar estes discos.

A proposta apresentada pela bancada parlamentar do PS tem em vista a alteração da lei 62/98 do Código do Direito de Autor e dos Direitos Conexos.

Há cerca de um ano que os serviços do Ministério da Cultura, que foram liderados por Gabriela Canavilhas, trabalham nesta matéria, como noticiou nessa altura a Exame Informática . Só que o governo de José Sócrates acabou por se demitir e a então Ministra da Cultura não teve tempo de submeter à votação da Assembleia da República a aplicação da nova taxa (a legislação portuguesa exige que a aplicação de taxas e impostos tenha de passar obrigatoriamente no parlamento).

Caso as alterações à lei 62/98 sejam aprovadas, a compensação dos direitos de autor passará abranger vários equipamentos eletrónicos que permitem replicar obras protegidas pelos direitos de autor, que ainda não estão contemplados pela a atual lei. Pens USB, discos rígidos, leitores de MP3, cartões de memória, câmaras fotográficas e de filmar estão entre os muitos dispositivos cujos preços que podem vir a ser sujeitos a esta taxa de compensação dos autores.

Tal como está hoje, a lei 62/98 prevê a aplicação de taxas que rondam os três por cento dos preços dos vários formatos de discos de CD e DVD (o que corresponde a taxas de 0,13 a 1,00 euros). Também neste ponto, a proposta apresentada por Gabriela Canavilhas apresenta alterações prevendo a aplicação de taxas que variam consoante a capacidade de armazenamento de cada dispositivo.

A lei 62/98 apenas se aplica às cópias privadas (backups e outras réplicas de uso privado sem fins comerciais lícitos ou ilícitos) e por isso não pode ser aplicada aos downloads efetuados na Net, que pertencem à categoria das cópias de âmbito público.

As taxas desembolsadas aquando da compra dos diferentes dispositivos são encaminhadas pelos revendedores e pelos fabricantes para a Associação para a Gestão da Cópia Privada (AGECOP), que depois procede à redistribuição dos valores pelos autores, produtores e editoras de música, livros, vídeo, software.

A aplicação da taxa vem no seguimento de uma diretiva europeia, que já foi posta em prática em vários paises da UE.

ATENÇÃO:ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Experimentamos o sistema LiveOn TV da Vodafone, um serviço de partilha de vídeo em tempo real de um smartphone ou tablet para a televisão da sala.

Testamos o sistema Garmin Vivofit, uma pulseira pequena, leve e confortável e com um ecrã que fica ligado até um ano. 

Fomos correr com o TomTom Multi-Sport Cardio e gostamos do sensor que mede as pulsações cardíacas através da emissão de um feixe de luz que atravessa a pele.  

Estivemos no Intel Developer Forum e mostramos os planos para termos computadores livres de cabos: conhecemos o WiDi e o Wireless Power para ligar portáteis e tablets a ecrãs e carregar baterias sem fios. 

Testamos um portátil de luxo da Asus, com um preço e características de topo de gama e que pode concorrer com o MacBook Pro.

A Não perder

Os smartwatches chegaram em força! Mas para que servem e quais são os que mercem lugar no nosso pulso? As respostas nesta edição.

EI Tv

Em destaque neste programa: reportagem sobre o SkyOrbiter, um satélite atmosférico feito em Portugal e outra com a Intel nos EUA. Testamos ainda o Asus ZenBook NX500.

Em destaque neste programa: reportagem sobre o drone Ar4 da Tekever e análises ao BQ Aquaris E5 FHD, ao smartwatch Mykronoz da ZeSplash e ao Huawei Ascend Mate 7.

O terceiro e último programa dedicado à IFA este ano. Em destaque neste programa: televisores com ecrãs planos e flexíveis, curvos e até com resolução 5K; uma seleção de wearables para o futuro próximo.

 

Esta criação pode abrir as portas a um material superfino e que pode ser usado como gerador elétrico em cima da roupa normal.

X

Sabia que o seu Internet Explorer está desatualizado?

Para usufruir da melhor experiência de navegação na nossa página web recomendamos que atualize para uma nova versão. Por favor faça a atualização aqui .