Facebook, Foursquare, Twitter e muitas outras apps usam contactos do iPhone sem autorização

Hugo Séneca
16/02/2012 10:22
Depois da polémica em torno da monitorização dos utilizadores, é a vez do Appgate obrigar a Apple a rever os regulamentos da distribuição de apps para iPhone e iPads

Facebook, Instagram, Foursquare, Twitter, Path, Yelp, Gowalla, Hipster, Foodspotting e muitas outras apps têm acedido à lista de contactos de milhões de utilizadores de iPhones, sem a devida autorização.

O caso, que já começou a ser denominado de Appgate, já levou a Apple a rever os termos de distribuição de aplicações para iPhones e iPads.

Depois de uma missiva enviada por advogados que pretendiam conhecer detalhadamente os regulamentos da App Store, a Apple anunciou ontem que as apps que recolhem dados da lista telefónica sem a autorização dos donos dos telemóveis passaram a ser proibidas no circuito de distribuição dominado pela “marca da maçã”.

«Estamos a trabalhar com o objetivo de melhorar as coisas para os nossos clientes e, como já tínhamos feito com os serviços de localização, qualquer app que pretenda aceder a contactos vai ter de explicitamente solicitar a aprovação dos utilizadores com o lançamento de novas versões», respondeu Tom Neumayr, um porta-voz da Apple, quando inquirido pelos meios de comunicação norte-americanos.

Apesar da rapidez da resposta, os advogados que confrontaram a Apple não se dão satisfeitos e lembram que a empresa ainda não indicou as razões que levaram à aprovação de várias aplicações que acedem aos contactos das listas telefónicas de iPhones e iPads sem o consentimento dos donos das máquinas. Desconhece-se, para já, quantas apps disponíveis na App Store levam a cabo esta prática.

Nos telemóveis Android,  tudo indica que o acesso indevido à lista de contactos não é feito, uma vez que a Google exige que as produtoras de apps solicitem a autorização aos donos dos telemóveis para aceder aos dados que constam nas listas telefónicas, informa o The New York Times. Esta restrição acaba por ter contornos de curiosidade: é que ao contrário da Apple, a Google tem um regulamentos muito menos restritivos no que toca à produção de apps para Android.

Por enquanto, não há notícias quanto ao hipotético acesso indevido aos contactos dos utilizadores em telemóveis que correm Windows Phone.

Face ao descontentamento gerado pelos defensores da privacidade dos utilizadores a Federal Trade Commission (FTC), que regula as matérias relacionadas com o consumo nos EUA optou por não fazer comentários.

Em contrapartida, membros da Casa dos Representantes (parte do Congresso dos EUA), enviaram cartas para Tim Cook, líder da Apple, a solicitar explicações sobre o Appgate.

O caso teve início na semana passada com a denúncia feita pelo programador Arun Thampi, que acusava, num texto publicado num blogue, a app Path de aceder indevidamente aos dados das listas telefónicas dos utilizadores.

Depois do primeiro alerta, o caso não demorou a tomar proporções até envolver alguns dos nomes mais sonantes das apps, em particular, e da Internet, em geral.

ATENÇÃO:ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Testamos uma pequena impressora que pode levar para qualquer lado e que pode ser usada para imprimir fotos a partir do telemóvel iOS ou Android. 

Testamos uns óculos de sol que incluem uma câmara e um microfone, o que lhes permite gravar vídeo e som em alta definição.

Testamos um monitor com resolução 4K, indicado para quem quer editar vídeos em ultra alta definição.

Testamos dois gadgets que ajudam a localizar objetos do quotidiano como chaves ou carteiras. Use o smartphone para evitar que se esqueça destes objetos em qualquer lado.

Testamos uma unidade SSD que usa as redes sem fios para receber e enviar dados.

A Não perder

 Não é preciso gastar 500 euros para ter um bom smartphone! É o que provamos nesta edição, onde analisamos e comparamos 27 smartphones dos 60 aos 250 euros

EI Tv

Em destaque neste programa:revelamos o serviço MB Way, que transforma o telemóvel em carteira e fomos até à AudioShow e à Lisboa Games Week.

Em destaque neste programa: testamos a EcoTank L555, a primeira impressora da Epson que usa tinteiros recarregados em casa e analisamos o convertível HP, com ecrã que roda completamente. 

Em destaque neste programa: conduzimos um superdesportivo amigo do ambiente e testamos um monitor para quer editar vídeo em ultra alta definição.

 

A KipstR é uma pulseira feita numa impressora 3D e que deteta quando o utilizador adormece em frente à TV para começar a gravar o programa que estava a ser visto.

X

Sabia que o seu Internet Explorer está desatualizado?

Para usufruir da melhor experiência de navegação na nossa página web recomendamos que atualize para uma nova versão. Por favor faça a atualização aqui .