Oxe7 e WarezTuga: ACAPOR apresenta queixa contra os maiores sites de partilha de ficheiros

Hugo Séneca
21/11/2012 19:45

Nuno Pereira, presidente da Associação que representa os clubes de vídeo, faz as contas: o WarezTuga tem mais espetadores de streaming de vídeo que as salas de cinema do País – e mesmo assim não é o site de partilha de conteúdos não autorizados mais usado em Portugal.

A Associação do Comércio Audiovisual de Obras Culturais e de Entretenimento de Portugal (ACAPOR) apresentou ontem queixa no Gabinete de Combate à Cibercriminalidade da Procuradoria-Geral da República (PGR) contra aqueles que são provavelmente os dois portais de partilha de ficheiros e transmissão de ficheiros piratas mais usados em Portugal.

Nuno Pereira, presidente da ACAPOR, dá uma noção da grandeza dos sites que foram alvo de queixa: «há dias, o WarezTuga disse ter batido o recorde de audiência com 150 mil utilizadores e 277 mil visitas num único dia. Ora se 30% dessas 150 mil pessoas virem um filme  por dia nesse portal, chegamos ao final do ano com mais de 16 milhões de espetadores. O que significa que há mais utilizadores deste portal do que espetadores em todas as salas cinema portuguesas, que em 2011 não foram além dos 15 milhões. O Oxe7 é maior que o WarezTuga, só que distribui tudo e mais alguma coisa – de vídeos a músicas, de jogos a revistas – e por isso não podemos fazer o mesmo tipo de comparação com as salas de cinema. Em contrapartida, o WarezTuga distingue-se por fazer streaming de vídeos legendados em português».

Inquirido pela Exame Informática, o responsável pela ACAPOR explica que foi recebido por um procurador aquando da apresentação da queixa, que agora deverá ser encaminhada para investigação do Ministério Público, a fim de apurar se há prática de ilícitos e se os responsáveis pelos dois sites devem ir ou não a julgamento. «Durante o encontro, o procurador explicou-nos que há dificuldades técnicas e jurídicas para lidar com estes casos», relata Nuno Pereira.

Tanto o WarezTuga como o Oxe7 estão alojados no serviço CloudFlare, que está sedeado nos EUA. «Se fosse um serviço de alojamento português, o problema estava resolvido», acrescenta Nuno Pereira.

A comprovar as potenciais «dificuldades jurídicas» aludidas pelo procurador no encontro com a ACAPOR está o recente o arquivamento de duas mil queixas que a associação dos clubes de vídeo apresentou junto da PGR contra internautas que usaram números de IP para partilhar ficheiros sem a autorização dos autores. Num primeiro despacho sobre este caso iniciado em janeiro de 2011, o Ministério Público considerou que era «lícito» partilhar música, vídeo ou software na Net sem o consentimento de quem os produziu.

Depois da emissão desse despacho, a ACAPOR ainda tentou constituir-se como assistente do processo, mas essa solicitação foi rejeitada. O significa que o processo é arquivado em definitivo e não será reapreciado por um juiz, refere o site da associação.

Apesar da primeira derrota, a ACAPOR mantém-se na ofensiva judicial. O facto de terem sido apresentadas apenas duas queixas (e não 2000) e de os alvos das queixas serem os gestores dos portais e não os utilizadores desses portais pode revelar o início de uma nova estratégia de ataque à proliferação de conteúdos não autorizados na Web: «O nosso objetivo principal é que os dois sites sejam fechados e não tanto saber quem é que está por detrás do WarezTuga ou do OXe7», conclui Nuno Pereira.

ATENÇÃO:ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Testamos uma pequena impressora que pode levar para qualquer lado e que pode ser usada para imprimir fotos a partir do telemóvel iOS ou Android. 

Testamos uns óculos de sol que incluem uma câmara e um microfone, o que lhes permite gravar vídeo e som em alta definição.

Testamos um monitor com resolução 4K, indicado para quem quer editar vídeos em ultra alta definição.

Testamos dois gadgets que ajudam a localizar objetos do quotidiano como chaves ou carteiras. Use o smartphone para evitar que se esqueça destes objetos em qualquer lado.

Testamos uma unidade SSD que usa as redes sem fios para receber e enviar dados.

A Não perder

 Não é preciso gastar 500 euros para ter um bom smartphone! É o que provamos nesta edição, onde analisamos e comparamos 27 smartphones dos 60 aos 250 euros

EI Tv

Em destaque neste programa:revelamos o serviço MB Way, que transforma o telemóvel em carteira e fomos até à AudioShow e à Lisboa Games Week.

Em destaque neste programa: testamos a EcoTank L555, a primeira impressora da Epson que usa tinteiros recarregados em casa e analisamos o convertível HP, com ecrã que roda completamente. 

Em destaque neste programa: conduzimos um superdesportivo amigo do ambiente e testamos um monitor para quer editar vídeo em ultra alta definição.

 

A KipstR é uma pulseira feita numa impressora 3D e que deteta quando o utilizador adormece em frente à TV para começar a gravar o programa que estava a ser visto.

X

Sabia que o seu Internet Explorer está desatualizado?

Para usufruir da melhor experiência de navegação na nossa página web recomendamos que atualize para uma nova versão. Por favor faça a atualização aqui .