Aluna pode ser expulsa de escola do Texas por recusar chip de localização

Hugo Séneca
23/11/2012 18:52

Andrea Hernandez recusou-se a usar um chip de rádio que permitia localizá-la quando se encontrava no recinto escolar. Agora, cabe à justiça do Texas decidir ou não se é legal expulsá-la da escola secundária John Jay.

No início do ano letivo de 2012, a direção da escola secundária John Jay tornou obrigatório o uso dos chips de RFID que localizam os estudantes devido às restrições orçamentais impostas pelo agrupamento escolar do San Antonio's Northside Independent School District (NISD). Com o uso desta tecnologia, os responsáveis pelo agrupamento escolar do sul dos EUA pretendia criar um mecanismo que permite confirmar o número de alunos que assistem às aulas e atribuir verbas proporcionais ao total de presenças.

Dois meses depois da implementação desta medida, Andrea Hernandez passou a figurar nos títulos de jornais por recusar o uso dos chips de rádio que a localizam a toda a hora. Ao contrário do que seria de esperar, não foi a defesa da privacidade o motivo invocado para a recusa. Em entrevista à InfoWars, os pais de Andrea Hernandez explicam que rejeitaram o uso dos localizadores por RFID, por serem a «a marca da Besta» - uma expressão que remonta aos textos bíblicos e que é usada para designar as forças demoníacas.

Face à recusa da família Hernandez, a direção da escola John Jay decidiu suspender Andrea e avançar para um processo de expulsão da escola secundária John Jay.

O caso foi parar aos tribunais do Texas, que agora vão determinar se é legal ou não o pedido de expulsão. O San Antonio's Northside Independent School District (NISD) ainda não se pronunciou sobre o assunto – apesar de ter em curso um plano de instalação de um sistema de localização por RFID para 110 escolas da região.

Palavras-chave

ATENÇÃO:ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Testamos uma pequena impressora que pode levar para qualquer lado e que pode ser usada para imprimir fotos a partir do telemóvel iOS ou Android. 

Testamos uns óculos de sol que incluem uma câmara e um microfone, o que lhes permite gravar vídeo e som em alta definição.

Testamos um monitor com resolução 4K, indicado para quem quer editar vídeos em ultra alta definição.

Testamos dois gadgets que ajudam a localizar objetos do quotidiano como chaves ou carteiras. Use o smartphone para evitar que se esqueça destes objetos em qualquer lado.

Testamos uma unidade SSD que usa as redes sem fios para receber e enviar dados.

A Não perder

 Não é preciso gastar 500 euros para ter um bom smartphone! É o que provamos nesta edição, onde analisamos e comparamos 27 smartphones dos 60 aos 250 euros

EI Tv

Em destaque neste programa:revelamos o serviço MB Way, que transforma o telemóvel em carteira e fomos até à AudioShow e à Lisboa Games Week.

Em destaque neste programa: testamos a EcoTank L555, a primeira impressora da Epson que usa tinteiros recarregados em casa e analisamos o convertível HP, com ecrã que roda completamente. 

Em destaque neste programa: conduzimos um superdesportivo amigo do ambiente e testamos um monitor para quer editar vídeo em ultra alta definição.

 

A KipstR é uma pulseira feita numa impressora 3D e que deteta quando o utilizador adormece em frente à TV para começar a gravar o programa que estava a ser visto.

X

Sabia que o seu Internet Explorer está desatualizado?

Para usufruir da melhor experiência de navegação na nossa página web recomendamos que atualize para uma nova versão. Por favor faça a atualização aqui .