exameinformatica

Uma parceria EXPRESSO

Siga-nos nas redes

Perfil

Mercados

Micro Bit e o esforço da BBC para promover o interesse pela programação

A BBC vai oferecer um milhão de Micro Bits, uma plataforma semelhante ao Raspberry Pi, com o intuito de estimular o interesse pela programação informática.

  • 333

Os responsáveis pela iniciativa explicam que o Micro Bit deve complementar o Raspberry Pi e não substitui-lo completamente. Os aparelhos vão ser oferecidos pela BBC como parte do projeto Make It Digital. As crianças que estejam na escola e que tenham entre 11 e 12 anos poderão receber um destes aparelhos. A BBC já teve uma iniciativa semelhante na década de 1980, quando ofereceu um Micro computador aos estudantes. 
Gary Atkinson, diretor da ARM, uma das empresas envolvidas, explica que o Micro Bit é «um aparelho muito compatível com o Raspberry Pi. O Micro Bit é uma plataforma de software embedded e que não corre um sistema operativo completo». As crianças vão poder escrever código num editor de texto ou usar aplicações com interface gráfica, como o Scracht ou o Blockly, e depois compilar para o correr no Micro Bit. 
Os pequenos programadores em potência vão ter de escolher as melhores opções para cada cenário e obter feedback em tempo real sobre as consequências das suas escolhas. 
Ainda não se conhecem os pormenores sobre o hardware da plataforma, mas já se sabe que poderá ser usado na roupa. As crianças vão poder começar a escrever código na escola, num computador e depois, com auxílio da tecnologia Bluetooth, continuar o trabalho no caminho para casa, através do telemóvel. 
Os críticos no Reino Unido sugerem que os professores não tiveram tempo para se preparar para ensinar os alunos a programarm, mas os responsáveis pelo projeto explicam que vão ser disponibilizados vários tutoriais e materias de treino que podem ser usados pelos docentes. 
Outro objetivo da iniciativa passa por incentivar as crianças a fazerem algo e a terem uma aprendizagem ativa, para que a computação não seja considerada uma ciência "seca". 
O calendário para o lançamento destes aparelhos ainda não está fechado, mas estima-se que numa primeira fase, todas as crianças entre os 11 e os 12 anos possam receber um destes kits em setembro, na altura do regresso às aulas.