exameinformatica

Uma parceria EXPRESSO

Siga-nos nas redes

Perfil

Mercados

Aptoide a caminho da grande fábrica de telemóveis da China

A Aptoide vai marcar presença na cidade de Shenzen, mas não pretende vender apps no mercado chinês. Confuso? A resposta começa a ser dada dentro de uma semana com a abertura de uma delegação em… Singapura.

  • 333

Hugo Séneca

Os números da Aptoide são reveladores: 51 milhões de dispositivos Android em 2014 e... em 2015, poderão ser 100 milhões os dispositivos que usam a loja de apps criada em Portugal para a concorrer diretamente com a Google. Como é que esse número poderá ser alcançado? Paulo Trezentos, líder da Aptoide, explica: «vamos abrir de amanhã a oito dias um escritório em Singapura e, até outubro, um escritório em Shenzen, na China».

São os primeiros dois escritórios da Aptoide fora de Portugal – e os dois terão funções complementares. Em Shenzen, a Aptoide quer estreitar relações com todos os fabricantes de telemóveis chineses que operam em regime de outsourcing bpara as maiores marcas ou que têm as suas próprias marcas; em Singapura, a startup portuguesa deverá instalar uma delegação que tem por objetivo a expansão para os mercados indiano e sudeste asiático (Indonésia, Malásia, Filipinas, etc.).

«A presença na China tem por único objetivo manter o contacto com os grandes fabricantes de telemóveis. Não temos a intenção de distribuir aplicações na China. É um mercado que já conta com grandes players, como a Baidu, a Alibaba e Tencent», explica Paulo Trezentos, lembrando ainda os bloqueios tecnológicos e os diversos constrangimentos a que empresas estrangeiras têm sido sujeitas no mercado chinês.

Mesmo pondo de parte o mercado chinês, a Aptoide acredita que poderá chegar, a partir do escritório de Singapura, a uma região que totaliza mais de 1600 milhões de consumidores (mil milhões na Índia acrescidos de 600 milhões no sudeste asiático). «Nos últimos 12 meses crescemos 200% nestes mercados. O que significa que estamos a crescer nesta parte do mundo muito acima dos crescimentos registados noutros mercados. Nos próximos tempos, queremos estabelecer parcerias com os fornecedores de conteúdos locais e marcar presença em eventos. A ideia é sempre tirar alguma quota de mercado à Google», explica Paulo Trezentos.

A par da colocação de um profissional em Singapura e de dois na China, a Aptoide pretende continuar a reforçar a equipa técnica que está sedeada em Lisboa. «Hoje, temos 25 pessoas na nossa sede. Estamos a contratar e esperamos chegar, em breve, às 40 pessoas», explica o líder da Aptoide.

  • 333