exameinformatica

Uma parceria EXPRESSO

Siga-nos nas redes

Perfil

Mercados

Novo cartão do Continente também abre portas do metro em Londres

O cartão Universo pretende funcionar como um upgrade do cartão de fidelização do Continente. A solução tem por base tecnologia da MasterCard.

  • 333

A Sonae acaba de entrar no segmento dos serviços bancários com o lançamento do cartão Universo. A solução não tem anuidades e pretende funcionar como um upgrade ao cartão de fidelização do Continente.

O novo cartão pode ser usado nas lojas da Worten, da Sport Zone e de outras lojas Sonae – mas no limite pode ser usado em todos os serviços que sejam compatíveis com a tecnologia desenvolvida pela MasterCard e o BNP Paribas. «Até posso usar este cartão para entrar no metro de Londres e debitar a tarifa mais interessante. Trata-se de uma solução compatível com a norma EMV e que usa tecnologia contactless e por isso não preciso de ter um título de transporte específico para o metro de Londres», explica Paulo Raposo, responsável pela MasterCard em Portugal.

Além de disseminar o uso de cartões bancários contactless, o cartão Universo cria uma nova oportunidade de negócio de expansão da MasterCard em Portugal. Os descontos de três por cento nas lojas Sonae e de um por cento nas compras de lojas aderentes na marca de cartões de crédito funcionam como os principais atrativos para o consumidor.

Para as marcas de retalho, a principal vantagem deriva da possibilidade de integrar, num só cartão, pontos de fidelização e funcionalidades relacionadas com o pagamento. «O utilizador pode definir os máximos que podem ser transacionados, quem pode usar o cartão, em que geografias e a que horas do dia pode ser usado, e quais os alertas que poderão ser desencadeados consoante os montantes que são transacionados», explica Paulo Raposo.

Com o cartão Universo, a Sonae passa a concorrer diretamente com marcas que já têm maior tradição no segmento bancário. Os utilizadores do “antigo” cartão Continente, que chegou a estar envolvido numa polémica em torno de vulnerabilidades técnicas que permitiam o acesso aos dados dos clientes, não são obrigados a migrar para o novo cartão, que se distingue por disponibilizar pagamentos em prestações e exigir a inserção de PIN em transações superiores a 20 euros.

  • 333