exameinformatica

Uma parceria EXPRESSO

Siga-nos nas redes

Perfil

Mercados

Adeus Lei de Moore? Processadores da Intel vão evoluir mais devagar

Um relatório anual da Intel parece indicar que a gigante se prepara para desistir da estratégia Tick-Tock e implementar um ciclo de três fases conhecido por Processo-Arquitetura-Otimização.

  • 333

A estratégia Tick-Tock é das principais responsáveis pelo domínio da Intel nos últimos tempos. O conceito passa por introduzir um novo processo litrográfico num ciclo de produto (tick) e depois uma microarquitetura atualizada no próximo ciclo (tock). Com a aplicação destas “regras”, a empresa conseguia atualizar as suas fábricas a cada dois anos de forma a ser capaz de produzir processadores cada vez mais pequenos e otimizados em termos de ocupação de espaço, consumo e desempenho. Agora, com a constante redução dos tamanhos, é cada vez mais difícil implementar esse tick a cada dois anos.

A Intel vai apostar na PAO, de Performance-Architecture-Optimization, um modelo que resulta diretamente da complexidade de desenvolver e implementar novos elementos litográficos.

«Esperamos aumentar o tempo durante o qual iremos usar tecnologias de produção de 14 nm e da próxima geração de 10nm, otimizando os nosso produtos e procedimentos, enquanto correspondemos à cadência anual de introdução de novos produtos», escreve a Intel no seu relatório, citada pelo Anand Tech.

As fábricas da Intel na Irlanda, Arizona e Oregon estão a produzir wafers para 14nm e Israel, Arizona e Oregon estão nos 22nm. Percebe-se que a gigante dos chips vai manter a mesma microarquitetura agora para duas gerações, o que permitirá a todos os clientes empresariais manterem a consistência, embora se desconfie um pouco de quanta otimização é que a marca vai conseguir fazer.