exameinformatica

Uma parceria EXPRESSO

Siga-nos nas redes

Perfil

Mercados

O Android sabe por onde andaram os utilizadores. E o FBI também

A polícia dos EUA começou a explorar uma nova forma de obter localizações de suspeitos de crimes. Location History, dos Mapas da Google, promete maior precisão que as redes dos operadores móveis.

  • 333

Hugo Séneca

O FBI começou a tirar partido de uma funcionalidade dos Mapas da Google conhecida por Location History para conhecer a localização de suspeitos de crime no passado. O The Verge revela que, nos últimos quatro meses, as polícias norte-americanas solicitaram à justiça o uso de dados compilados pelo Location History com o propósito de obter localizações de indivíduos sob investigação. Não se sabe se os dados da ferramenta de localização da Google acabaram por ser usados nos dois julgamentos – mas sabe-se que a polícia norte-americana valoriza este repositório de dados, que está descrito como tendo maior precisão que aquela que é alcançada pelas redes móveis dos operadores.

O Location History dos Mapas da Google recolhe dados do utilizador a partir do sistema GPS, e conexões a redes Wi-Fi e redes celulares. Esta recolha de dados já é processada há bastantes anos – até porque faz parte da estratégia da Google para a área dos anúncios que têm em conta a localização dos internautas – e recentemente veio a integrar uma funcionalidade de “timeline”, que permite saber por onde andou o utilizador de um telemóvel Android nos últimos anos.

O utilizador pode optar por não ter a Location History, mas essa decisão acarreta perder funcionalidades, como o Google Now. Uma vez instalada, a ferramenta começa a recolher dados da localização, mesmo que o utilizador não a consulte. A funcionalidade é privada – mas segundo o The Verge não será assim tão difícil para as polícias dos EUA aceder a todos esses dados, uma vez que a Google tem um histórico de cumpridora das ordens judiciais. A este dado junta-se um outro: a existência de um manual que explica como investigadores policiais podem aceder aos dados, evitar que sejam apagados irremediavelmente pelos suspeitos, e proceder a pedidos de informação junto da Google.

De acordo com The Verge, o histórico da localização de um utilizador também pode ser obtido em dispositivos que correm iOS, da Apple, mas a precisão é mais reduzida nestes casos – é que no Android, o Location History está integrado no sistema operativo e pode ser usado em articulação com várias contas da Google.

  • 333