exameinformatica

Uma parceria EXPRESSO

Siga-nos nas redes

Perfil

Mercados

Microsoft paga 10 mil dólares por update não autorizado do Windows 10

Uma consumidora lesada pelo update automático do Windows 10 ganhou um caso em tribunal nos EUA. A Microsoft optou por não recorrer

  • 333

Hugo Séneca

Brian Smale

Em fevereiro, Teri Goldstein deparou-se com o “update recomendado” do Windows 10. A utilizadora californiana não bloqueou a atualização apresentada pela Microsoft e, por isso, o automatismo seguiu o seu caminho. O resultado não se fez esperar: o computador ficou instável e deixou de ser viável usá-lo para os respetivos propósitos profissionais. Hoje, soube-se que a Microsoft foi condeanda em tribunal a pagar 10 mil dólares (pouco mais de 9000 euros) como compensação pelo sucedido com o computador de Teri Goldstein.

Questionada pelo Seattle Times, Teri Goldstein reiterou as queixas de outros consumidores que usavam versões mais antigas do sistema operativo da Microsoft e que alegam ter feito inadvertidamente o upgrade para o Windows 10: «Eu nunca ouvi falar do Windows 10. Ninguém me perguntou se queria fazer a atualização». Teri Goldstein tentou sanar junto dos serviços de assistência da Microsoft a lentidão que passou a dominar o computador de trabalho, mas não terá recebido qualquer resposta satisfatória.

A Microsoft terá preferido não recorrer da decisão dos juízes para evitar mais custos associados ao processo. O update do Windows 10 começou a gerar polémica quando a Microsoft apostou numa atualização automática, que acabou por ser aplicada inadvertidamente por vários utilizadores. A Microsoft sempre negou qualquer má prática pela distribuição grátis do Windows 10 – mas não se livrou das acusações de pressão sobre os consumidores com o objetivo de fomentar o uso do novo sistema operativo.

  • 333