exameinformatica

Uma parceria EXPRESSO

Siga-nos nas redes

Perfil

Mercados

Google promete adaptar-se ao novo regulamento de proteção de dados

A Google lembra que o novo regulamento de proteção vai provocar alterações nos contratos de serviços como os utilizados na Google Suite.

  • 333

Exame Informática

Falta pouco mais de um ano para o novo Regulamento Europeu da Proteção de Dados (GDPR) entrar em vigor, mas a Google não pretende perder muito mais tempo a adaptar os respetivos serviços às novas regras. Pelo menos, foi essa a intenção reiterada pela gigante tecnológica, através de um post assinado por Suzanne Frey e Marc Candall, responsáveis pelas áreas de Privacidade e Fiabilidade, e de Proteção de Dados dos serviço Cloud da Google.

A Google não menciona explicitamente, mas as novas regras da proteção de dados são especialmente sensíveis para o sucesso de plataformas como a Google Suite e a Plataforma Google Cloud. Além dos serviços da Google, as alterações regulamentares podem produzir efeito junto de múltiplas empresas que usam ferramentas da marca norte-americana.

«Vamos levar a cabo actualizações importantes para responder aos requisitos do GDPR. Também somos um parceiro empenhado nos esforços para que os nossos clientes estejam em conformidade com o GDPR. Os utilizadores podem também tirar partido dos serviços cloud da Google a partir dos recursos para protecção de dados incorporados no Google Cloud», refere o post publicado pelos dois responsáveis da Google.

No post publicado hoje, a Google recorda ainda que as alterações que vão ser levadas a cabo nos próximos tempos deverão levar à publicação de avisos relacionados com o novo regulamento e ainda uma emenda aos regulamentos, que deverá ser apresentada aos diferentes clientes e utilizadores.

Os dois executivos da Google lembram ainda as adaptações que foram aplicadas ao longo dos anos, com o objetivo de acompanhar a evolução das tecnologias e dos regulamentos. Além de várias certificações de segurança e proteção de dados, os diretores da Google recordam que sempre seguiram a regulação europeia para a exportação de dados para fora da UE.

O post contém ainda algumas sugestões que ajudam utilizadores e empresas: «Esteja ciente de que os novos requisitos podem exigir novos acordos com fornecedores de serviços ou soluções completamente novas que respondam aos futuros novos e exigentes requisitos»; «considere criar um inventário atualizado e preciso das informações pessoais que processa»; «reveja os seus controlos e processos atuais para garantir que estão adequados e crie um plano para solucionar eventuais lacunas»; e «fique a par das orientações regulamentares atualizadas à medida que se tornam disponíveis e considere a possibilidade de consultar um especialista jurídico para obter orientação aplicável a si próprio».

  • 333