exameinformatica

Uma parceria EXPRESSO

Siga-nos nas redes

Perfil

Mercados

GoldenEye, o novo ataque de ransomware já fez vítimas em todo o mundo

A Bitdefender identificou este novo ataque informático como sendo o GoldenEye, uma variante do Petya. Os hackers sequestram os dados das vítimas e pedem um pagamento de cerca de 300 dólares em Bitcoin.

  • 333

Exame Informática

Esta nova ameaça tem duas camadas de encriptação e codifica os ficheiros e o disco rígido, tornando-se especialmente perigosa. Recorde-se que a Microsoft lançou atualizações recentemente para reparar os sistemas que pudessem estar vulneráveis ao ataque do WannaCry de há dois meses e que afetou 200 mil máquinas. Desta vez, o GoldenEye tira partido de outra vulnerabilidade e pode espalhar-se através de documentos do Office, explica a Cnet.

De acordo com os especialistas, na semana passada havia mais de 38 milhões de máquinas vulneráveis por não terem os patches mais recentes instalados, embora se estime que o número possa ser ainda mais elevado.

Este ataque afetou agências governamentais, empresas e uma distribuidora de eletricidade na Ucrânia, um exportador de petróleo na Rússia, a rede da farmacêutica Merck e a rede da transportadora Maersk, a empresa de advogados com presença em 40 países DLA Piper e os sistemas da WPP, uma das maiores agências de publicidade do mundo.

Até ao momento, os atacantes já receberam 4600 dólares, provenientes de 19 pagamentos, apesar de os especialistas em segurança recomendarem que não se pague.

  • Como proteger-se do ransomware

    Tutoriais

    O ataque WannaCry, que sequestrou dados de milhares de computadores em todo o mundo, veio dar razão aos alertas dos especialistas em segurança que têm vindo a alertar constantemente para o crescimento e perigos deste tipo de ataque. Felizmente, como acontece com a esmagadora maioria do malware, há formas de evitar esta e outras "infeções"

  • Windows 10 S infetado em três horas

    Software

    O especialista em cibersegurança, Matthew Hickey, foi desafiado pela ZDnet para testar o nível de segurança da versão do Windows que a Microsoft cunhou de "mais segura". Em apenas três horas, foi possível infetar uma máquina que estava a correr o Windows 10S e tomar o seu controlo.