exameinformatica

Uma parceria EXPRESSO

Siga-nos nas redes

Perfil

Mercados

Armazenamento de energias renováveis: há um processo revolucionário em curso

Getty Images

E se num futuro não muito distante vier a ter um tarifário de eletricidade sem limites, onde paga apenas uma mensalidade fixa? A indústria das energias renováveis está a caminhar nessa direção

  • 333
Paulo Matos

Paulo Matos

Jornalista

Como seria expectável numa conferência do Web Summit cujo título era “A revolução no armazenamento de energia”, todos os oradores do painel eram defensores das energias renováveis e a verdade é que apresentaram argumentos interessantes para converter até os mais céticos. Vic Shao, fundador e CEO da Green Charge Networks, abriu as hostilidades ao afirmar que «as renováveis são a forma mais barata de produzir energia» e James Meeks, presidente e CEO da MOVE Systems, apresentou um caso prático em que mostrou como foi possível, em Nova Iorque, poupar energia e reduzir a poluição com a criação de novas roulotes que vendem comida na rua – uma tecnologia que suscitou tanto interesse que até foi adaptada para poder ser utilizada pelos bombeiros da cidade norte-americana.

Outro aspeto em que todos os intervenientes da conferência estavam de acordo é que atualmente o problema das energias renováveis não é tecnológico, ou seja, não reside na dificuldade de a gerar, os obstáculos estão sim na comercialização contratual. Russel Tencer, fundador e CEO da United Wind, explicou que a banca e Wall Street ainda não estão mentalizados para transformação que está a decorrer, o que dificulta o financiamento, e que o próprio modelo de negócio das empresas que atuam nesta área é um desafio, sugerindo que as parcerias com as distribuidoras que dominam o mercado pode ser a melhor solução para todas as partes.

É que o armazenamento de energia pode ser a chave para superar os padrões inconsistentes do tempo a que assistimos nos dias de hoje e que, por exemplo, foram recentemente responsáveis por cheias e por secas um pouco por todo o globo. Aliás, foram fenómenos climatéricos como os furacões que deixaram sem energia algumas das zonas afetadas, algo que poderia ser minimizado se houvesse um primado das energias renováveis e um armazenamento eficaz.

O que falta então para as renováveis se afirmarem como uma verdadeira alternativa viável aos combustíveis fósseis? Por um lado, o preço do armazenamento tem vindo a baixar a bom ritmo nos últimos 5 anos – veja-se o exemplo das baterias de iões de lítio e como a escala proporcionada pelos veículos elétricos trouxe benefícios –, mas, por outro lado, a reticência na adoção por parte de alguns dos tradicionais fornecedores de energia e a ausência de uma regulação eficaz ainda são obstáculos concretos. Curiosamente, o impulso pelas energias renováveis tem partido muito de grandes empresas tecnológicas que, por iniciativa própria, decidem tornar-se totalmente “verdes”.

Como será então o futuro das energias renováveis? Vic Shao acredita que viremos a ter tarifários de eletricidade sem limites e com um preço fixo, tal como acontece atualmente com a Internet, e James Meeks defende que «estamos a caminhar na direção certa, apenas não na velocidade certa».