exameinformatica

Uma parceria EXPRESSO

Siga-nos nas redes

Perfil

Mercados

Minifrigorífico para medicamentos ganha concurso de startups da Web Summit

Uwe Diegel, à direita, ao receber o prémio de 50 mil euros pela vitória no concurso de startups da Web Summit

Lifeina ganhou o concurso de startups da Web Summit com um pequeno frigorífico que mantém os medicamentos. entre os dois e oito graus centígrados. A estreia comercial está aprazada para 2018. Os preços oscilam entre 150 e 250 euros

  • 333

Os males que vêm por bem ganham um sentido reforçado na vida de Uwe Diegel. Aos 26 anos, quando se preparava para ser lançado como pianista clássico profissional, um acidente destrói-lhe o braço direito. «Tive de ser reciclado para a área da medicina. Ainda toco, mas não aguento passar aquelas 12 horas diárias a praticar». A reciclagem haveria de abrir caminho ao cognome de “Steve Jobs das tecnologias médicas”, devido ao sucesso granjeado com a iHealth. Em 2015, o irmão visita-o em Paris. Os dois vão a um bar. E o irmão, que é diabético, pede ao barman para guardar a insulina no frigorífico – mas o frasco acabou por ir parar ao congelador. Da crise nasce a oportunidade: em paralelo com a procura de uma farmácia, começa a ganhar forma o primeiro protótipo da Lifeina: um pequeno frigorífico portátil para os 5% da população mundial que precisam de medicamentos diariamente. Passados dois anos, o protótipo final está construído - e ganhou o concurso de startups da Web Summit.

A estreia comercial só deverá acontecer em fevereiro de 2018, mas a jovem empresa já conta com 8700 encomendas. «Por dia recebemos cerca de 800 mensagens», refere Uwe Diegel. «Ninguém pergunta o preço, mas sim quando é possível comprar».

Em termos empresariais, Uwe Diegel já vai na quarta vida: começou com a Spangler, depois evoluiu para a MicroLife e, por fim, chegou ao topo com iHealh. Até que em fevereiro o topo deixou de chegar. «Estava farto de andar a fabricar pedaços de plástico», diz numa frase. Surge um novo capítulo com a Lifeina. «Agora acordo com gosto de ir trabalhar». A frase típica dos empreendedores que deixaram de ligar ao dinheiro e que mantêm vivo o lema de Steve Jobs, quando defendeu o desenvolvimento de produtos que chegam ao coração das pessoas.

As palavras do malogrado líder da Apple ainda hoje devem ecoar na cabeça de empresário sul-africano radicado em Paris – ou não fosse o primeiro frigorífico portátil da Lifeina uma máquina sem parafusos, que usa baterias destacáveis para poder viajar de avião e que já ganhou um primeiro prémio de design. Não passa de especulação pura, mas não seria de admirar que o designer do pequeno frigorífico Life In a Box fosse um fã de iPhone e iMacs. Pelo menos é essa a ideia que fica quando se vê o pequeno frigorífico,

O Life in a Box deverá fazer a estreia comercial com preços entre os 150 e os 250 euros – consoante sejam escolhidas baterias de 12, 24 ou 36 horas (ainda nem todos os modelos de baterias estão disponíveis). Cada um destes pequenos frigoríficos, deverá garantir temperaturas entre dois e oito graus. O dispositivo está apto a comunicar através de redes sem fios e enviar dados sobre as condições em que se encontram os medicamentos. Esta capacidade de comunicação também vai ser aproveitada para lançar alertas para as horas das tomas.

A caixa frigorífica dispõe de uma tranca que abre através de um comando enviado com a app de telemóvel. Não se trata apenas de uma questão de privacidade, recorda Uwe Diegel: «Cerca de 95% dos acidentes relacionados com a toma de medicamentos por crianças têm a ver com o facto de esses medicamentos terem sido colocados em frigoríficos (convencionais)».

No caso do adultos, é a vontade de parecer normal que prevalece. Uwe Diegel recorda que as pessoas não querem que os outros saibam que sofrem esclerose múltipla, diabetes, sida ou cancro. Resultado: acabam por deixar em casa os medicamentos que necessitam de frigorífico. O que produz um efeito iô-iô na saúde: a condição física sobe depois da toma do medicamento; e logo desce devida à privação a que os doentes se sujeitam por vergonha. Nas finanças, o efeito iô-iô converte-se numa descida a pique: só nos EUA perdem-se 300 milhões de dólares anuais devido a complicações relacionadas com as tomas de medicamentos desreguladas, recorda o mentor da Lifeina..

Segundo Uwe Diegel, os produtos da Lifeina deverão ter garantia vitalícia. Perante o espanto dos jornalistas, esclarece: «Os “meus” produtos sempre tiveram garantia vitalícia. Mas garantia vitalícia não é nada. Em dois anos isto já será um dinossauro; já terei desenhado um modelo com um espaço maior, e mais autonomia».

Os tais dois anos que fazem com que o mundo regresse à pré-história tecnológica poderão ainda ser aproveitados para a Lifeina lançar um pequeno tubo frigorífico com 25 horas de autonomia energética, que foi desenhado à medida de quem necessita de tomar insulina. «E também estamos a pensar desenvolver uma solução para o transporte de órgãos (usados em transplantes)», promete.

Hoje, a Lifeina conta apenas com seis pessoas. Diegel garante que vai usar os 50 mil euros do prémio da Web Summit em investigação. E lembra que não ganhou o título de Steve Jobs das tecnologias médicas por vender projetos promissores antes de amadurecerem. «A nossa previsão oficial diz que vamos vender 20 mil unidades do Life In a Box em 2018. Mas tenho quase a certeza de que vamos vender bem mais. Talvez 80 mil e 100 mil caixas», promete.