exameinformatica

Uma parceria VISÃO

Siga-nos nas redes

Perfil

Mercados

Terceira Tech Island: ITUp prepara formação em Outsystems que pretende revitalizar economia da Ilha Terceira

Wolfgang Kaehler

Conta com um investimento de 300 mil euros por parte do Governo Regional dos Açores e pretende criar 60 novos postos de trabalho na área da programação informática, na ilha Terceira.

  • 333

Francisco Garcia

A Terceira Tech Island 2019 é uma parceria entre o Governo Regional dos Açores e a ITUp, que pretende dar formação a programadores em OutSystems, uma ferramenta de desenvolvimento de aplicações de software, e criar um total de 60 novos postos de trabalho na região.

Esta bootcamp intensivo de programação, pretende apresentar uma alternativa às tradicionais linguagens de programação e transformar a ilha Terceira num polo de empresas tecnológicas.

«A OutSystems permite aos programadores desenvolver aplicações web e mobile de forma mais rápida e simples do que as tradicionais linguagens de programação e codificação, caracterizadas pela sua complexidade e elevado nível de abstração. Integrando, numa única plataforma, soluções de programação e de inteligência artificial, esta tecnologia torna possível desenhar desde complexos sistemas de suporte à produção até aplicações internas para colaboradores ou clientes», explicou Luís Campos, CEO da ITUp, num comunicado de imprensa.

A formação pretende atrair como público-alvo os residentes nos Açores, preferencialmente, com formação em engenharia e matemática ou cursos profissionais tecnológicos. É de cariz gratuito, tem a duração de 12 semanas e começa no dia 25 de Março de 2019.

A parceria com a ITUp representa um investimento de 300 mil euros para o Governo Regional dos Açores e permitirá criar 60 novas vagas para formação, de um total de 220, da Terceira Tech Island.

«Tendo em conta o crescente número de empresas nacionais e internacionais de grande dimensão a trabalhar com OutSystems, fazia todo o sentido disponibilizarmos também esta formação», explica Sérgio Ávila, vice-presidente do executivo açoriano, para quem «a introdução de formação numa nova plataforma de programação é sinónimo de maior diversidade de opções para os formandos e de um consequente aumento de oportunidades para atrair empresas que queiram instalar-se neste Hub tecnológico», concluiu, no mesmo comunicado.