exameinformatica

Uma parceria VISÃO

Siga-nos nas redes

Perfil

Mercados

WSA: estes oito projetos vão representar Portugal nos prémios de inovação apoiados pelas Nações Unidas

A final portuguesa dos WSA distinguiu projetos nas categorias de Governo e Participação dos Cidadãos; Saúde e Bem-Estar; Aprendizagem e Educação; Ambiente e Energias Ecológicas; Cultura e Turismo; Urbanização e Povoações Inteligentes; Negócios e Comércio; e Inclusão e Empoderamento

  • 333

São oito projetos tecnológicos e foram escolhidos entre 30 candidaturas para representar Portugal na final internacional dos World Summit Award (WSA), que terão lugar durante o WSA Global Congress, em Viena, Áustria, em dezembro de 2020. Os premiados na final nacional foram anunciados esta quarta-feira durante o Congresso realizado pela Associação Portuguesa para o Desenvolvimento das Comunicações (APDC).

Os prémios WSA foram criados com o apoio das Nações Unidas, tendo como pano de fundo a reversão da iliteracia digital e a disseminação de acessos às tecnologias. Na final portuguesa, o júri liderado por Roberto Carneiro, antigo ministro da Educação, distinguiu projetos nas categorias de Governo e Participação dos Cidadãos; Saúde e Bem-Estar; Aprendizagem e Educação; Ambiente e Energias Ecológicas; Cultura e Turismo; Urbanização e Povoações Inteligentes; Negócios e Comércio; e Inclusão e Empoderamento, informa um comunicado da APDC.

Na categoria Governo e Participação dos Cidadãos, foi distinguido o projeto MeuParlamento.pt, «uma aplicação digital que lhe permite tornar-se membro do Parlamento sempre que quiser», refere a APDC. Os utilizadores desta app podem «votar um conjunto de dez propostas já debatidas, descobrindo mais tarde qual partido votou de maneira mais semelhante à sua».

Na Categoria de Saúde e Bem-Estar, o SNS24 será o representante nacional na final dos WSA. O SNS24 foi escolhido pelo júri dos WSA nacionais por reunir em vários canais informação sobre o sistema de saúde nacional e também por fomentar a literacia em saúde ou permitir «a realização de uma triagem telefónica dos doentes, marcação de consultas ou a simples navegação pelo universo que compõe o SNS».

A TV T21, com conteúdos em diferentes idiomas, garantiu a passagem à final internacional da categoria aprendizagem e educação. Além de uma plataforma grátis, o projeto desenvolvido pela Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Santarém distinguiu-se pelo apoio do programa Erasmus+ e ainda pelo contributo dado à «melhoria da inclusão social e emprego de jovens europeus portadores do Síndrome de Down, nas áreas do turismo e e-skills».

Quanto à categoria de Ambiente e Energias Ecológicas, foi escolhida a Go Parity que juntou à distinção dos WSA o prémio Born From Knowledge da Agência Nacional de Inovação. A Go Parity é uma startup que capta investidores para projetos e negócios com propósitos ambientais.

A categoria Cultura e Turismo terá como representante nacional o projeto Sensos, pelo desenvolvimento de uma plataforma digital que recolhe informação de satélite para dar a conhecer o estado em que se encontram diferentes zonas arqueológicas no mundo.

Na categoria Urbanização e Povoações Inteligentes, o projeto distinguido dá pelo nome de eParkio e tem como atrativo uma app que indica os postos de carregamento de carros elétricos mais próximos.

O projeto distinguido na categoria de Negócios e Comércio dá pelo nome de Internet of Cargo e tem como principal ferramenta uma plataforma que permite otimizar ativos de uma cadeia de abastecimento, a fim de reduzir desperdícios ou lixo.

Por fim, na categoria de Inclusão e Empoderamento, a finalista escolhida é a Associação Dignitude pelo trabalho levado a cabo no acesso a medicamentos por parte de faixas da população que nem sempre os conseguem comprar. «Já foram apoiadas 9.641 pessoas, permtindo-lhes o acesso a medicamentos a que, de outra maneira, não conseguiriam ter», refere o comunicado da APDC.

  • 333