exameinformatica

Uma parceria EXPRESSO

Siga-nos nas redes

Perfil

Opinião

Formação vs Outsourcing de profissionais de TI: Duas realidades que se complementam

Como pode uma empresa desenvolver a atividade de outsourcing em Recursos Humanos de Tecnologias de Informação e, simultaneamente, apostar na formação de profissionais desta área?

  • 333

Rui Reis, Diretor da Rumos Serviços

Pouco antes da década de 90, o capital humano não era uma prioridade, nem por parte das empresas, nem tão pouco por parte das próprias pessoas. Investir na formação dos colaboradores ou os próprios apostarem no seu desenvolvimento não era habitual. Mas, encontrando-se o mercado em permanente evolução e as necessidades e expectativas das pessoas em constante adaptação, surgiram empresas no mercado, como é o caso da Rumos, que conjugaram a sua oferta de serviços com o intuito de contribuir para a valorização profissional de pessoas e potenciar a competitividade de empresas e organizações. Assim, surgiu a junção entre a oferta da formação a profissionais e a área de serviços de consultoria, managed services e outsourcing de recursos humanos em tecnologias de informação.

Cada vez mais, num mercado fortemente competitivo, é valorizada a instrução através da formação dos recursos humanos. Por outro lado, são também cada vez mais visíveis as vantagens do outsourcing de RH para as organizações, com uma redução de custos na ordem dos 9% e um aumento de produtividade em cerca de 15%. Para além destas vantagens evidentes, as empresas começaram ainda a percecionar a flexibilidade de opções no que concerne ao outsourcing como, por exemplo, ceder atividades não nucleares em regime de outsourcing. Então, afinal, já é possível complementar na mesma empresa estas duas realidades: formação e outsourcing.

Perante esta realidade, as organizações começaram a valorizar o facto de conseguirem encontrar numa empresa soluções tanto para lacunas pontuais como para necessidade permanentes. Na Rumos, por exemplo, dispomos de profissionais qualificados, certificados e atualizados que podem reforçar as organizações com capacidade técnica e produtiva durante um curto, médio ou longo período de tempo. Simultaneamente, oferecemos um centro de formação, que forma e treina os profissionais de TI para o exigente mercado de trabalho.

O mercado está em permanente evolução e diariamente somos confrontados por empresas com realidades muito diversas que procuram soluções para ultrapassarem as necessidades reais. O mercado das Tecnologias de Informação é, de facto, um mercado evolucionista e dinâmico pelo que é fulcral continuar a procurar as melhores opções estratégicas que permitam um crescimento sólido, melhoria qualitativa e experiência qualificada dos profissionais com quem nos cruzamos e das organizações que servimos.

  • 333
  • Nós, os índios

    Opinião

    Sermos ciborgues torna-nos mais ou menos humanos? A mesma tecnologia que nos ajuda a prolongar a vida com a substituição de um órgão doente não estará a contribuir para alterar a forma como encaramos os limites e a condição de humanos?

  • As coisas que nos ligam

    Opinião

    Pedro Veiga, professor da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa e líder da ISOC Portugal, explica, num artigo para a Exame Informática, como a Internet que antes era um exclusivo dos humanos está a mudar a forma como nos relacionamos com as coisas.