exameinformatica

Uma parceria VISÃO

Siga-nos nas redes

Perfil

Opinião

Zuckerberg no Facebook até quando?

Ainda hoje me pergunto o que é que aconteceu ao Flautista de Hamelin naquele instante em que o primeiro dos ratos lhe perguntou «mas afinal estás a levar-nos para onde?». A pergunta do mais desconfiado roedor de pouco terá servido, pois os ratos seguiram para o rio com uma eficiência capaz de fazer corar a melhor empresa de desinfestação. Por momentos, todos ficaram felizes – a ponto de se esquecerem de pagar os superpoderes do músico… que não se coibiu de dar nova mostra de capacidade com o encantamento de todas as crianças da aldeia. Conhecerá Mark Zuckerberg a lenda?

  • 333

Não sei bem quais os dotes musicais do líder do Facebook, mas é bom que deixe de acreditar em lendas. Até porque o seu poder de encantamento está a acabar. E notoriamente a condescendência que se costuma a dar aos mais jovens com “ideias giras” já era. Depois do escândalo Cambridge Analytica e da fuga de dados de 87 milhões de pessoas (63 mil em Portugal, informou a Facebook numa conferência telefónica com jornalistas), a era da ingenuidade chega ao fim nas redes sociais. De súbito, até os mais desatentos perceberam que entre posts e likes o poder é o único móbil. O poder de decidir o que compramos, o poder de decidir o conhecemos, o poder de dizer e denunciar, e o poder de decidir em quem votamos. Com um “pormenor”: 2,1 mil milhões de pessoas usam a rede social. Pouco menos de um terço da humanidade.

Se fosse um flautista lendário, Zuckerberg já teria passado há muito o estado de graça da desinfestação, e provavelmente estaria em vias de ser linchado pela vingança que cometeu. Não seria um desfecho fiel ao enredo do Flautista de Hamelin, mas a atualidade também já não se compadece com a tentativa de encontrar um “moral” na história. E há ainda uma outra diferença: com o ato de contrição assumido depois de conhecido o uso indevido que a Cambridge Analytica deu aos dados de tanta gente, percebeu-se que, ao contrário do mítico músico de Hamelin, Zuckerberg não domina o instrumento que criou.

Este conteúdo é parte integrante da Exame Informática Semanal. Para continuar a ler clique AQUI (acesso livre)

  • 333