exameinformatica

Uma parceria VISÃO

Siga-nos nas redes

Perfil

Web Summit

2020, o ano zero das entregas de comida com drones

A Manna quer entregar encomendas usando drones, que fazem o transporte em menos de três minutos com um custo de €1.

  • 333

Serão centenas os estafetas que perdem a vida ou ficam feridos anualmente na Europa em acidentes rodoviários quando transportam comida de restaurantes para a casa dos clientes. Um mercado que, segundo Bobby Healy, fundador e CEO da Manna, já vale 350 mil milhões de euros (Europa) e que vai crescer rapidamente para os 400 mil milhões de euros. Para este responsável, os drones de entrega vão revolucionar o mercado de encomendas de comida online porque vão aumentar muito a qualidade do serviço, evitar acidentes rodoviários e reduzir muito a pegada ambiental associada ao transporte e entregas - 2000 milhões de quilómetros serão percorridos anualmente por veículos que fazem este tipo de entregas.

Na apresentação que fez no Web Summit, Bobby Healy informou que os drones da Manna vão ser capazes de fazer a entrega em dois a três minutos num raio de ação de 3 km e com um custo de apenas €1. Por comparação, Healy diz que os atuais serviços de entrega, muito baseados em motos e bicicletas, demoram, em média, quase meia hora a fazer o trabalho e cobram cerca de €5. «Além de caro, quando as batatas fritas do McDonnald's chegam às nossas casas já não são as batatas fritas do McDonnald's», referiu, em tom humorístico, o fundador da Manna como exemplo.

Quanto à segurança e privacidade, Bobby Healy garante que os aparelhos respeitam as mais exigentes normas da indústria aeronáutica, incluindo redundância dos motores e dos computadores de navegação. Os drones da Manna até têm para-quedas para o caso extremo de avaria simultânea de vários sistemas. Quanto à privacidade, a Manna não vai aceder a quaisquer dados dos utilizadores nem registar imagens: «só vamos ser informados das moradas de partida e de destino».

Os objetivos da Manna vão muito além da entrega de comida, já que o CEO desta startup acredita que «os drones vão mudar por completo as economias locais», dando exemplos «a partir do momento que podemos receber em casa comida ou compras de supermercado em dois ou três minutos com um custo muito baixo, deixaremos de nos preocupar com grandes compras ou com o armazenamento de comida, o que até vai reduzir muito o desperdício».

  • 333