exameinformatica

Uma parceria VISÃO

Siga-nos nas redes

Perfil

Internet

Qutoutiao, o portal chinês que usa clickbait e paga aos utilizadores para lerem notícias

O Qutoutiao é um agregador de notícias sobre celebridades e mexericos. Para sobreviver num mercado feroz, o portal está a usar clickbait e a pagar aos utilizadores para lerem os conteúdos

  • 333

Exame Informática

O portal conta com o apoio do gigante Tencent, mas ainda assim teve de encontrar uma estratégia para conseguir sobreviver no feroz mercado chinês. O Qutoutiao decidiu assim pagar aos utilizadores para lerem as suas notícias. A Reuters conta a história de uma auxiliar de limpeza que, nos tempos vagos, lê notícias no Qutoutiao e recebe entre 30 a 40 dólares por mês. Cada leitor pode ganhar moedas digitais ao ler conteúdos, ao jogar jogos que envolvam notícias ou por recomendar o serviço e trazer mais utilizadores à plataforma.

O plano resultou, com mais de 20 milhões de leitores diários e o mais bem pago a receber 50 mil dólares. O número de utilizadores triplicou no último ano e as receitas do terceiro trimestre, quase todas de publicidade, aumentaram seis vezes para os 145 milhões de dólares.

No entanto, também os custos de marketing aumentaram para mais de 145 mihões neste trimestre, mais sete vezes do que foi gasto em igual período do ano anterior. O responsável financeiro, Wang Jingbo, explica que está a ficar cada vez mais caro conseguir o tráfego.

Os especialistas não conseguem chegar a acordo sobre se esta será uma estratégia viável a longo prazo: «é muito confuso. Se baixarmos o dinheiro investido, os utilizadores perdem o interesse. Se aumentarmos, o custo é demasiado elevado», disse Wei Wuhui, da SkyChee Ventures.

Os criadores do Qutoutiao apontam para as pequenas cidades e zonas rurais como foco e oferecem conteúdos como dicas de culinária a tutoriais em vídeo sobre como dançar, além de curiosidades e mexericos. Os responsáveis financeiros esperam chegar aos 200 milhões de utilizadores mensais a certo ponto, aproximando-se dos 250 milhões registados pelo agregador rival Jinri Toutiao.