exameinformatica

Uma parceria VISÃO

Siga-nos nas redes

Perfil

Hardware

Intel prepara chips para portáteis inovadores e para Inteligência Artificial

David Becker / Getty Images

O Lakefield recorre à tecnologia Foveros e é vocacionado para, por exemplo, portáteis com dois ecrãs

  • 333
Paulo Matos

Paulo Matos

Jornalista

A Intel está a desenvolver um processador que tem por objetivo disponibilizar boa performance numa dimensão muito reduzida, como acontece com as soluções dos rivais para a indústria dos dispositivos móveis. Batizado pelo nome de código Lakefield, este processador recorre à tecnologia Foveros, que, basicamente, permite colocar partes diferentes do chip em diferentes camadas de eletrónica.

Recorde-se que a Intel já tinha levantado a ponta do véu sobre o Lakefield na CES deste ano num evento que a Exame Informática teve oportunidade de assistir. Agora a empresa divulgou um pouco mais de informações sobre o processador na conferência Hot Chips, nomeadamente o facto de o chip ter 12x12 mm. Como refere a Cnet, esta área de 144 milímetros quadrados é maior que a de 83 milímetros quadrados do A12 da Apple, mas inclui a própria memória, que, desta forma, não precisa de ocupar um espaço diferente.

O objetivo da Intel é colocar o Lakefield em portáteis com um “form factor” diferenciador, de que são exemplos os com dois ecrãs que começam a ser anunciados, e dotá-los de uma autonomia suficiente para um dia inteiro de trabalho. As primeiras unidades deverão sair da linha de produção antes do final do ano.

Mas as novidades da Intel não se ficam pelo Lakefield, pois a empresa também deu a conhecer o Springhill (igualmente apelidado de Nervana NNP-I), um processador que recorre a Inteligência Artificial (IA) e é concebido para grandes centros computacionais. O chip está a ser desenvolvido em Haifa, é baseado num Ice Lake de 10 nanómetros e visa lidar com elevadas cargas de trabalho gastando um mínimo de energia.

A Facebook está já a usar este produto, avança a Reuters, e o lançamento deste produto com IA foi possível graças ao investimento feito pela Intel nas startups israelitas Habana Labs e NeuroBlade.

  • 333